Aposta para 2019, home-office e coworking contam com estilo próprio e algumas peculiaridades

Design próprio, mobiliário exclusivo ou até mesmo espaço aberto 24h por dia, os ambientes estão cada vez mais preparados – e sofisticados – para atender a demanda de profissionais que exigem qualidade e requinte

Da Redação

Com as novas tecnologias, a rotina do mundo corporativo mudou. Por isso, a necessidade de produzir mais e com menor custo tem obrigado as empresas a repensarem os métodos de trabalho. E o que vem passando pelo maior número de mudanças é o ambiente de trabalho.

Utilizar escritórios tradicionais em horário comercial dia após dia vem perdendo espaço para novas modalidades. Neste novo cenário, muitas empresas passaram a oferecer a opção para que o trabalhador efetue parte ou totalmente a jornada em casa. De acordo com pesquisas recentes, 37,5% dos trabalhadores brasileiros fazem home-office em algum momento da jornada de trabalho.

Mas não é só o home-office que tem alterado a rotina das empresas, outra modalidade que tem crescido é o coworking. Segundo o Censo Coworking Brasil, o número de locais que possibilitam o aluguel de um espaço para trabalho compartilhado saltou de 238, em 2015, para 1.194 espaços conhecidos em todo o país este ano, sendo 465 só no estado de São Paulo. Porém, muito mais do que se preocupar com o local, é preciso analisar qual se encaixa em cada estilo.

24 horas por dia, 7 dias por semana

O terceiro turno deixou de ser exclusividade das indústrias há algum tempo. Não é difícil encontrar profissionais das mais diversas áreas que se flexibilizaram e adotam as madrugadas como horário de maior atividade. Para atender a esse nicho, coworkings buscam cada vez mais a personalização dos serviços, como um de São José dos Campos que funciona 24 horas por dia.

No Workflex Coworking, a qualquer hora do dia, a qualquer dia, o profissional encontra estrutura preparada – inclusive com cafezinho, chás e água grátis – em ambientes para 5, 10 ou até 20 pessoas, salas VIP, estacionamento rotativo gratuito, entre outras amenidades. O aumento pelo serviço dos coworkings se deve, em vários casos, às facilidades de ter um endereço comercial ou fiscal para registro da empresa, podendo até registrar serviço de atendimento telefônico.

Se o home-office se destaca por aproximar o trabalhador do aconchego da casa e da possibilidade de uma maior flexibilidade na carga horária, na diminuição do tempo de deslocamento entre a casa e o trabalho e no menor custo com a alimentação. A escolha pelo uso de local compartilhado possibilita a criação de um networking, diminuir os custos e estar bem localizado. Por lá, é possível interagir, trocar contatos e conhecimentos e aproveitar a infraestrutura existente. Mas, para criar um ambiente produtivo seja em casa ou em um coworking é preciso estar atento a alguns detalhes.

Para o home-office, cadeiras com formas mais orgânicas e menos sisudas são necessárias para atender as demanda do trabalho e da casa. Como exemplo, a Ayra, da F.Way, que consegue se adequar bem às duas necessidades. O designer Christoph Jenni desenvolveu uma peça em que o minimalismo se encontra em perfeita consonância com texturas e formas extremamente humanas. Com os elementos estruturais, a Ayra supera o desafio de combinar o sintético ao orgânico. Os pés são em alumínio e contam com junções fluidas e mecanismos perfeitos.

Outra peça importante é a mesa. Com a assinatura do designer espanhol Tomás Alonso, a mesa Offset, da Maxdesign, se destaca pela versatilidade. A mesa conta com uma fenda que separa as duas partes, o que permite instalar cabos, suportes para lâmpadas, separadores e vários outros acessórios. Desse modo, o que poderia ser mais uma mesa do dia a dia, se transforma em um espaço de trabalho que pode ser plenamente utilizado. Sem os acessórios no tampo, ela pode se ser uma mesa informal para jantares.

Já para o coworking, cadeiras e mesas mais tradicionais e ergonômicas são as mais indicadas. A Paker, da F.Way, conta com diversas possibilidade de ajustes que se adequam a qualquer tipo de funcionalidade sem deixar de lado o minimalismo. A peça conta com sistema de apoio lombar no encosto que se ajusta ao movimento do usuário. O apoio para os braços contam com uma tecnologia “4D”, que permite um ajuste completo. Já o corpo se encaixa no assento, de forma que permite movimentar para frente, adequando-se à necessidade e ao maior conforto do usuário. O produto conta ainda com uma espuma de alta resiliência em poliuretano que garante maior estabilidade.

Para trazer a elegância do design para o ambiente corporativo, o designer mineiro Lucca Kazan conseguiu criar na mesa Ki, daF.Way, uma sensação de conforto tátil e estético no ambiente de trabalho. Com um sistema de plataformas, a peça se integra às necessidades práticas de modulação e passagem de fios. Da textura do tampo de madeira à complexa tecnologia por trás dos pés palitos estáveis, cada detalhe é pensado para criar um design atemporal que eleve o espaço de trabalho a um novo patamar de conforto e estética.

 

 

, , , , , , ,