Aproximam-se os últimos dias para tirar dúvidas e fazer a declaração de Imposto de Renda 2020

Escolas de São Paulo estão fazendo plantões remoto sob a supervisão de professores e as perguntas podem ser enviadas até o fim de junho

por outrosquinhentos.com

O prazo para entrega da declaração de Imposto de Renda 2020 encerra-se no próximo dia 30 de junho e os contribuintes que ainda não acertaram as contas com o leão precisam acelerar o passo para cumprir o prazo e ficar em dia com a Receita Federal. Para esclarecer dúvidas no preenchimento do documento de ajustes anual, as Escolas Técnicas (Etecs) e Faculdades de Tecnologia (Fatecs) estaduais continuam com o serviço de plantão remoto e gratuito até o fim do mês.

O atendimento para esclarecimento de dúvidas é feito de forma voluntária, todos os anos, nas unidades do Centro Paula Souza. O serviço é realizado nas próprias escolas e, neste ano, por causa do isolamento social, o plantão ocorre à distância.

A iniciativa é uma oportunidade para os alunos colocarem em prática o conhecimento adquirido em sala de aula. Para a professora do curso de Contabilidade da Etec Fernando Prestes, de Sorocaba, Benedita Faria, além de agregar experiência, esta ação tem muito valor como prestação de serviços: “É um projeto que concilia a demanda dos alunos por uma vivência profissional com a necessidade dos cidadãos por informações técnicas”, ressalta.

Junto com os professores Carlos Almeida, Carlos Corrá e Jovil Franco, a educadora coordena uma equipe com cinco alunos dos cursos técnicos de Contabilidade e Finanças que se revezam nos plantões de segunda a sexta-feira.

Novidades em 2020

A contabilista e coordenadora de projetos do CPS, Janaína Dourado, reuniu algumas dicas para facilitar o preenchimento da declaração. Confira as recomendações da especialista e a relação das unidades que estão fazendo plantões:

  • Atenção à data de entrega da declaração de ajustes anual. O prazo não deve ser prorrogado de novo;

  • A partir deste ano, o contribuinte não precisa informar o número do recibo da última declaração;

  • A declaração é obrigatória para quem recebeu a média de R$ 2.379,97 por mês ou mais de R$ 28.559,70 no ano;

  • Quem não entregar no prazo é multado em R$ 165,74, valor mínimo da penalidade, podendo chegar a 20% do valor do imposto devido;

  • Guarde os comprovantes de despesas declaradas por cinco anos. Esse é o período que a Receita estipula para a malha fina;

  • Cronograma para restituição e pagamento de imposto devido foi alterado este ano. O primeiro lote de restituição foi pago no dia 29 de maio. Outros quatro lotes serão pagos até o final de setembro. O vencimento da cota única do imposto ou da primeira parcela é dia 30 de junho.

Conheça as unidades do Centro Paula Souza que oferecem plantões remotos para esclarecimento de dúvidas, no site da instituição.

Um simples erro na hora de declarar pode causar dor de cabeça para o contribuinte

Declarar o Imposto de Renda pode causar desespero em alguns e procrastinação em outros. É preciso ter bastante atenção na hora de preencher o documento para não cair na malha fina. Por conta da pandemia gerada pela Covid-19, o prazo para a declaração do Imposto de Renda foi prorrogado para o dia 30 de junho. Elisa Mayumi, Especialista em Tributos que atende pelo GetNinjas, esclarece as questões mais populares sobre o assunto:

O que é a malha fina?

Para analisar a Declaração do Imposto de Renda, a Receita Federal cruza informações prestadas por outras entidades com os dados fornecidos pelo contribuinte. Se é detectada alguma inconsistência que motive uma verificação mais apurada, o Governo pode chamá-lo a prestar esclarecimentos. Essa análise mais apurada é a famosa malha fina. Nestes casos, o contribuinte fica impossibilitado de receber a restituição do imposto até a resolução da pendência.

Quando uma pessoa cai na malha fina?

Qualquer informação incorreta ou omitida na Declaração pode se tornar alvo da malha fina. Exemplos: omissão na renda de dependentes, ou da própria renda; lançar os mesmos dependentes quando a declaração é feita em separado pelos cônjuges ou companheiros; informar dependentes sem ter a relação de dependência; deixar de informar os rendimentos de aluguel recebidos durante o ano; não preencher a ficha de ganhos de capital, no caso de alienações de bens e direitos; incluir despesas de educação que não são dedutíveis, entre outros.

O que fazer para não cair na malha fina?

A melhor maneira de evitar a malha fina é fazer a declaração de forma correta e com antecedência, guardando os documentos comprobatórios durante pelo menos 5 anos. O contribuinte pode acompanhar a situação pelo extrato da declaração do imposto de renda “A Receita disponibiliza um extrato de todas as declarações”, aconselha a especialista.

O que fazer quando cair na malha fina?

Caso o contribuinte seja alvo da malha fina, é preciso fazer a retificação da Declaração do Imposto de Renda junto à Receita Federal. Porém, descobrir qual a inconsistência ou equívoco na própria declaração pode ser tarefa difícil, devido ao conhecimento técnico exigido. Neste caso, é melhor procurar um profissional qualificado para lhe auxiliar ou comparecer ao atendimento diretamente na Receita Federal.

De que forma malha fina prejudica as pessoas?

“Na verdade, a malha fina é uma oportunidade que a Receita oferece para a pessoa corrigir o erro, pois, dependendo da situação, a inconsistência pode ser sanada apenas com a retificação da Declaração”, explica Elisa. Caso o contribuinte ignore a exigência da Receita, e fique constatado que realmente houve erro ou omissão de informações que resultem em mais imposto a pagar, o contribuinte autuado está sujeito a uma multa que varia de 37,5% a 225% do valor devido mais Selic do período.

, , , , , ,