Câncer de próstata: dois em cada três pacientes têm mais que 65 anos

Oncologista da Santa Casa explica fatores de risco; novembro marca campanha de prevenção

Da Redação | outrosquinhentos.com

O câncer de próstata é o tumor mais comum entre homens com mais de 50 anos, excetuando os tumores de pele. De acordo com estatísticas americanas, um em cada seis homens desenvolverá câncer de próstata no decorrer da vida. A partir do dia 1º, a campanha Novembro Azul reforça a importância da prevenção e, principalmente, o preconceito à doença.

O médico coordenador do setor de Oncologia da Santa Casa de São José dos Campos, Dr. André Prestes, explica que o câncer de próstata é extremamente raro abaixo dos 40 anos. “A incidência começa a aumentar a partir dos 50 anos. Dois em cada três pacientes com essa doença têm mais que 65 anos quando recebem o diagnóstico”, diz o especialista.

Entre os fatores de risco para desenvolvimento da doença está o histórico familiar. “Ter um parente de primeiro grau com diagnóstico de câncer de próstata aumenta duas vezes a probabilidade de desenvolver a doença. O risco é maior quando o parente afetado é um irmão e quando há vários casos na família”, pontua.

Homens negros também correm mais risco e tendem a desenvolver tumores mais agressivos, de acordo com o oncologista.

Obesidade é outro fator importante a ser combatido, pois aumenta as chances desses tumores serem mais agressivos.

A próstata é uma glândula que se localiza logo abaixo da bexiga e à frente do reto (parte final do intestino grosso). Ela envolve a porção inicial da uretra, tubo pelo qual a urina armazenada na bexiga é eliminada.

Em sua fase inicial, o câncer da próstata tem evolução silenciosa. Muitos pacientes não apresentam nenhum sintoma ou, quando apresentam, são semelhantes aos do crescimento benigno da próstata (dificuldade de urinar, necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou à noite). Na fase avançada, pode provocar sintomas urinários irritativos e obstrutivos, e até dor óssea quando há metástases nos ossos.

Segundo o Inca (Instituto Nacional de Câncer), alguns desses tumores podem crescer de forma rápida, espalhando-se para outros órgãos e podendo levar à morte. A maioria, porém, cresce de forma tão lenta – leva cerca de 15 anos para atingir 1 cm³ – que não chega a dar sinais durante a vida e nem a ameaçar a saúde do homem.

Prevenção

De acordo com o oncologista da Santa Casa de São José dos Campos, embora haja controvérsias, os exames para o diagnóstico precoce do câncer de próstata devem ser realizados anualmente e incluem dosagem do PSA (Antígeno Prostático Específico) e toque retal.

“Para a maioria dos homens, recomenda-se que esses exames comecem a ser feitos aos 50 anos e que sejam repetidos anualmente. Para os indivíduos negros e para aqueles com parentes de primeiro grau com história de câncer de próstata (pai e irmãos), os exames estão indicados a partir 40 anos de idade”, fala Dr. André.

, , , , , , , ,