Casos de crianças engolindo brinquedos, moedas e baterias dobraram em 20 anos

A frequência de ingestão observada neste estudo ressalta a necessidade de mais pesquisas para determinar a melhor forma de prevenir esses acidentes

Da Redação

O número de crianças que foram levadas às salas de emergência dos Estados Unidos, porque engoliram brinquedos, moedas, baterias e outros objetos quase dobrou, segundo um novo estudo.

Em 2015, foram registradas quase 43.000 ocorrências desse tipo, entre as crianças menores de 6 anos, em comparação com 22.000, em 1995, de acordo com o estudo publicado na revista Pediatrics. A taxa saltou de quase 10 por 10.000 consultas de emergência para 18 por 10.000.

O aumento “disparou alguns alarmes”, alertam os autores do estudo. Os pesquisadores observaram que um número crescente de produtos usa baterias do tamanho de um botão, o que é potencialmente perigoso, incluindo os controles remotos de TV, termômetros digitais e brinquedos controlados remotamente, o que provavelmente contribuiu para o aumento desse tipo de ocorrência.

A equipe de pesquisa analisou um banco de dados nacional de atendimentos de emergência não fatais para crianças menores de 6 anos. Quase 800.000 crianças foram tratadas, durante os anos de estudo, após a ingestão de objetos estranhos.

“Moedas, baterias e brinquedos foram responsáveis ​​pela maioria das idas à emergência. 90% das crianças tratadas foram enviadas para casa sem hospitalização, mas graves lesões internas e mortes também foram registradas”, afirma o pediatra e homeopata, Moises Chencinski.

Baterias e pequenos ímãs de alta potência, frequentemente comercializados como brinquedos para adultos, estão entre os objetos mais perigosos. “Quando as crianças engolem mais de um ímã, os objetos podem se atrair dentro do intestino, fazendo buracos no abdômen que podem levar ao envenenamento do sangue com risco de morte”, explica o pediatra.

Nos últimos anos, a Comissão de Segurança de Produtos de Consumo dos EUA emitiu alertas de segurança e ordens para impedir a venda de alguns ímãs, citando dezenas de hospitalizações e pelo menos o óbito de uma criança. O órgão também alertou sobre os perigos das baterias do tamanho de um botão, que, quando engolidas, podem desencadear uma reação química que  abre buracos no tecido dentro da garganta.


“Moedas, baterias e brinquedos foram responsáveis ​​pela maioria das idas à emergência. 90% das crianças tratadas foram enviadas para casa sem hospitalização, mas graves lesões internas e mortes também foram registradas”- Moises Chencinski, pediatra e homeopata


“Crianças que engolem baterias ou ímãs podem vomitar ou queixar-se de dor abdominal. Elas devem ser encaminhadas para a emergência o mais rápido possível”, orienta Moises Chencinski.

A ONG Criança Segura – Mundial, um grupo de defesa e prevenção de acidentes na infância, solicitou mais pesquisas para entender por que esses incidentes estão aumentando. A entidade recomenda que pais e cuidadores precisam estar mais vigilantes.

“Para prevenir esse tipo de ocorrência em casa, tente ver o mundo pelo ponto de vista de uma criança: mantenha objetos pequenos, como moedas, baterias, ímãs, botões ou joias fora do alcance e da vista”, orienta Chencinski.

, , , ,