Cearense de 27 anos com 280 quilos precisa de ajuda para vencer a obesidade mórbida e criar filho sozinho

Tem se tornado cada vez mais comum vermos casos de mães solos. E pai solteiro? Essa é a realidade do ex-porteiro Rafael Mesquita.

por Leandra Vianna, para outrosquinhentos.com

O jovem Rafael Ribeiro Mesquita, de 27 anos, habitante de Patos, área rural do município de Sobral, Ceará, é pai solteiro de Antônio Carlos, de três anos, e luta para criar o filho sozinho com o seu peso de quase 280 quilos e em uma casa alugada de condições muito humildes.

Rafael mora a 60 quilômetros de Sobral e para se locomover até o centro precisa fretar um carro adequado, pois cabe em poucos modelos por conta do seu estado atual de obesidade mórbida.

Hoje, ele vive de um benefício do INSS (Auxílio-doença previdenciário) no valor de um salário mínimo, depois de ter o seu pedido negado e entrar na justiça para conseguir receber. Desse valor ainda são descontados os honorários da advogada. O que sobra é usado para pagar aluguel, água, luz e comprar alimentos. Porém, o auxílio foi concedido por apenas seis meses e acaba em maio próximo. Qualquer advogado da região que pudesse adotar essa causa gratuitamente ajudaria muito o Rafa!

“Tenho que fretar um carro para ir daqui até Sobral. R$ 180 eles cobram. Só tem um modelo de carro que me cabe aqui. Saí de Fortaleza porque lá pagava 600 reais de aluguel. Aqui eu pago 200 de aluguel, água, luz e comida. Uso o Wifi do vizinho”, conta o jovem.

Rafael tinha emprego fixo na capital cearense, mas o perdeu por conta da obesidade. Foi mais uma vítima da gordofobia. Lá, também tinha iniciado o tratamento médico, que foi interrompido. Com a perda do trabalho e a doença, ele acabou perdendo também a esposa, que resolveu deixá-lo sozinho com o filho.

“Eu trabalhava como porteiro de um banco, mas eu vivia quebrando as cadeiras quando sentava. Minha esposa falou que não dava mais certo e falou pra mim que o Antônio Carlos ia ficar comigo”, detalha.

Rafael e o filho dormem num colchão, no chão

Dificuldade para conseguir atendimento médico

Rafael levou quase dois anos aguardando para ser atendido por um especialista do SUS em Fortaleza e agora não consegue transporte adequado para ir de Sobral até a capital. Ele não chegou a tomar medicamentos para emagrecer nem a entrar na fila da cirurgia bariátrica.

“Aqui na minha cidade não tem especialista. Em Fortaleza, levei quase dois anos pra conseguir uma consulta. Pra ir até lá no endocrinologista são 200 quilômetros e o carro que eles têm para transporte não me cabe, já tentei ir uma vez. Quando morava em Fortaleza, estava fazendo acompanhamento médico, mas não pude mais ficar lá porque não tinha onde morar”, lamenta o pai solo.

Se algum endocrinologista ou cirurgião bariátrico de Fortaleza, Sobral ou adjacências tiver a empatia de ajudar nessa luta pela saúde e qualidade de vida do Rafael sem cobrar, será muito bem-vindo. Você que é médico especialista em obesidade nessa região e quer colaborar, entre em contato conosco pelo whatsapp: (12) 99190-6677.

O Rafa também precisa de acompanhamento psicológico, mesmo que seja online. Psicólogos que prestem serviço social podem nos ajudar muito também. Acreditamos que profissionais de saúde existem para fazer a diferença na vida de pessoas como ele!

Sonho de um negócio próprio e mais qualidade de vida

Rafael Mesquita precisa de um colchão e uma cama adequados para o seu peso. Atualmente, dorme com o filho no chão, em colchões velhos.

“Meu sonho era fazer uma vaquinha pra mim poder comprar um colchão porque os meus estão velhinhos. Mas eu já tentei e não consegui nada”. Se alguma loja de colchões da localidade de Sobral quiser colaborar com a doação desses itens, nos chame no whatsapp: (12) 99190-6677.

O jovem também sonha em comprar um freezer e produtos para que possa trabalhar em casa, vendendo bebidas. “Queria colocar um gelado. Aqui onde moro é povoado e todo canto fecha cedo. Meu maior desejo, botar coisas pra vender pra ser independente. Vender refrigerante e bebidas pro pessoal levar”, conta animado.

Rafa também quer melhorar a qualidade de vida do pequeno Antônio Carlos. “Só queria dar qualidade de vida melhor pro meu filho. Meu filho tem três anos, minha vida, meu menino! Ele é a esperança de um amanhã melhor”, declara o pai com orgulho.

Contamos mais uma vez com a solidariedade dos nossos leitores e seguidores nessa missão! Se você também se emocionou com a história dessa humilde família de pai e filho e pode contribuir doando qualquer valor, seguem os dados abaixo:

Caixa Econômica – PIX: 04628130370

O whatsapp para contato direto com o Rafael: (88) 9315-1223

, , , , , , , , , , ,