Cinco dicas para quem deseja começar uma reforma

No final de uma obra é comum encontrar pessoas totalmente frustradas por não conseguirem chegar nem na metade do previsto no planejamento ou por surgirem gastos que não eram esperados

por outrosquinhentos.com

Quem nunca pensou em reformar a casa ou mesmo um cômodo? Essa vontade que muitas vezes fica só no papel ou que não sai do modo esperado é comum entre os brasileiros. De acordo com uma pesquisa realizada pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil – CAU/BR Datafolha, 54% dos brasileiros já fizeram reformas ou construções. Desses, menos de 15% utilizaram os serviços de um arquiteto ou engenheiro na obra.

Ainda de acordo com o estudo, a grande maioria dos entrevistados que já realizou reforma ou construção disse que a experiência não foi boa, por uma série de problemas, em especial pela dificuldade de encontrar mão-de-obra qualificada.

De acordo com Aline Macedo, sócia-proprietário do Studio Alta Arquitetura, a reforma é a melhor opção para quem deseja tornar o ambiente mais confortável, moderno e funcional.

“O que encarece mais na reforma de uma casa são problemas estruturais e a mão-de-obra, mas caso a pessoa opte por fatores mais pontuais, como troca do piso, telhado, pintura ou até mesmo ampliar algum cômodo, é possível estabelecer um limite de custo. Determinar o valor de uma reforma nem sempre é uma tarefa fácil, por isso, é indicado consultar um profissional da área, como um arquiteto ou engenheiro”, revela a especialista.

Para ajudar nessa tarefa, a especialista lista abaixo cinco dicas para quem deseja começar uma reforma. Confira:

Tenha um bom planejamento

O principal fator para se iniciar uma reforma é ter um bom planejamento. “É necessário colocar tudo na ponta do papel, qual o valor total que se tem para reformar, o custo estimado de material, mão-de-obra, definir as etapas do projeto e os cômodos que serão reformados, fazer um cronograma, definir a duração, além de uma data de início e final da reforma. Também é preciso levar em conta a localização da casa, tamanho do ambiente e quantidade de itens. Alguns custos serão fixos e outros podem mudar, por isso, será necessário definir bem todas as etapas para não acabar com um piso pela metade e até a falta de acabamento em algum dos cômodos”, explica Aline Macedo.

Fique de olho nas normas

Para reformas mais complexas como demolição e construção de área, ou alterações grandes na estrutura, será necessário ter um responsável técnico, com apresentação da ART/RRT, garantindo a responsabilidade pela aquela obra, de acordo com a norma brasileira NBR 12.680/2014, além de apresentação do projeto de reforma na Prefeitura local.

“Agora, quando realizamos pequenas reformas, como pinturas e aberturas de nichos em alvenaria, não é preciso licença da prefeitura, o que torna mais rápida sua execução, mas não isenta a apresentação da ART/RRT do profissional habilitado. A dica é procurar um especialista que avalie o caso detalhadamente”, alerta a arquiteta.

É Melhor reformar ou demolir e começar do zero?

Essa é uma das dúvidas mais frequentes quando o assunto é reforma. Segundo Aline, para saber qual medida tomar deve ser feito um estudo detalhado da casa, levando em conta toda a estrutura que pode ser aproveitada.

“Quando pensamos em uma casa antiga, com muitos problemas estruturais e de infiltrações,  muitas vezes o valor da reforma pode ultrapassar o custo de começar do zero, por isso, é necessário ter todo o projeto em vista e fazer o cálculo desse custo, sem esquecer que no caso da demolição, muitas vezes, será preciso fazer terraplanagem e a limpeza do terreno – o que pode encarecer muito a obra”, esclarece.

Conte com a ajuda de um especialista

Caso a reforma não seja simples e for necessário fazer um cronograma de atividades, contratar mão-de-obra, material e regularizar o imóvel, o mais indicado é contratar um profissional da área como arquiteto ou engenheiro. “Quando se tem a ajuda de um especialista é possível definir bem o escopo da obra, ele pode ajudar a definir os prazos, conseguir maiores descontos com fornecedores, definir um prazo para a entrega do projeto, evitar problemas com a estrutura durante a obra, além de garantir a segurança e evitar gastos desnecessários”, indica Aline Macedo.

Regularize sua casa durante a reforma

A Prefeitura de São Paulo sancionou recentemente a Lei da Anistia dos imóveis irregulares, em que determina um período para a população regularizar edificações, com uma legislação mais tolerante e com descontos em impostos. De acordo com Aline Macedo, a Lei da Anistia é a solução de regularização oferecida pela prefeitura de São Paulo, para construções concluídas até o dia 31 de julho de 2014. “Com a lei em vigor se torna ainda mais importante regularizar o imóvel, principalmente na hora de vendê-la. Também é preciso ficar atento ao prazo limite para protocolamento da anistia e a categoria que seu imóvel se enquadra”, explica a arquiteta.

Ainda de acordo com Aline, quem deseja regulamentar um imóvel deve procurar um profissional capacitado e entrar em contato com a prefeitura da sua cidade, para saber quais são os documentos e o passo a passo do processo.

“Com o imóvel regularizado, o proprietário poderá evitar multas por obras não comunicadas, ter uma maior valorização e autorização para venda ou locação, desconto em seguros, registrar o imóvel no cartório, liberação do financiamento pelo banco, entre outros. Em casos de imóveis comerciais, com a regularização, é possível licenciar a atividade no local”, finaliza a arquiteta.