Com cenário instagramável, comédia pop dramática ‘Ela Entre Nós’ estreia em outubro na SP Escola de Teatro

Dirigido por Mauro Baptista Vedia, espetáculo tem visagismo da drag Paullete Pink e traz no elenco Juliana Ferreira, Luciana Severi e Felipe de Paula. Plateia é acomodada no meio do apartamento kitsch da protagonista e pode tirar fotos nesse ambiente depois da sessão

por outrosquinhentos.com

Com referências do universo pop, a comédia dramática “Ela Entre Nós”, uma criação coletiva livremente inspirada no texto “De Alma Lavada”, de Sergio Roveri, estreia dia 18 de outubro, na SP Escola de Teatro – Sede Roosevelt – Sala Hilda Hilst, onde segue em cartaz até 24 de novembro. As apresentações acontecem às sextas, aos sábados e às segundas, às 21h, e aos domingos, às 19h, com ingressos por até R$30.

A comédia dirigida pelo uruguaio Mauro Baptista Vedia narra uma experiência inusitada e transcendental de uma mulher comum que mora sozinha, o que a obriga a se confrontar com uma série de questões sobre a vida vivida até ali. Enquanto toma um relaxante banho de espuma, Simone acidentalmente derruba o secador de cabelos na banheira e toma um choque que a deixa em estado terminal. Nesse exato instante, a alma da protagonista ganha voz, vida e personalidade próprias e completamente diferentes do que foi a sua dona.

Como Simone ainda não morreu, sua alma não pode partir sozinha para uma próxima encarnação, por isso, elas são obrigadas a conviver. A alma, que muitas vezes foi ignorada, faz uma série de questionamentos existenciais sobre o modo de vida de sua dona. Esta, por sua vez, percebe que o que ela acreditava ter um grande glamour, na verdade, só a aprisionava e acaba reencontrando seu verdadeiro ser.

“A Simone mora nesse apartamentinho em que cada cômodo tem uma cor diferente. Ela é toda certinha e pensa que vive no seu mundo de glamour. Ela tem sua banheirinha vitoriana e está sempre ouvindo Palito Ortega, que é uma coisa argentina antiga e cafona. Quando ela encontra a alma, passa a questionar: o que eu estou fazendo com a minha vida? Quais são os meus sonhos? Tenho um namorado que é um amor, mas é super tosco”, comenta a atriz e idealizadora da montagem Juliana Ferreira.

“Já a Alma é intransigente, questionadora, um tantinho egocêntrica quanto às suas necessidades do momento. Mas com a convivência com a Simone, também passa a descobrir um novo mundo e fica maravilhada. O afeto entre elas surge, até que Corpo e Alma se conectam verdadeiramente”, esclarece Luciana Severi, sobre a sua personagem.

A peça trata de temas como a procura pelo sentido da vida, a fragilidade da existência humana, os sonhos e as desilusões, o conformismo e o desencantamento que vêm com a idade e a iminência da morte. “Mais do que temas o que sempre me interessa são formas. Criamos uma espécie de comédia espírita pop, isso me fascina porque tentamos criar um novo formato e queremos saber qual será a resposta do público a essa peça tão vital, que mistura coisas que supostamente não deveriam ser misturadas”, acrescenta o diretor Mauro Baptista Vedia.

O cenário da peça reproduz os diferentes cômodos do apartamento de Simone, cada um com uma cor diferente, e a plateia é acomodada no meio desse espaço. A ambientação lembra os filmes do cineasta espanhol Pedro Almodóvar dos anos de 1980. Objetos coloridos de decoração – abajures, flores, cadeiras, geladeira antiga, banheira, bolinhas de sabão, poltronas etc. – estão espalhados por esses ambientes e criam atmosfera pop, kitsch e instagramável. Os espectadores podem tirar fotos nesse espaço ao final de cada apresentação.

Para a encenação, o diretor Mauro Baptista Vedia trouxe referências cinematográficas e da música dos anos de 1970 e 1980. “O texto me trouxe várias referências, mas uma das mais importantes foi o cinema de Pedro Almodóvar nos anos de 1980 e de Quentin Tarantino. Outra referência é a música pop espanhola e hispano-americana dos anos de 1970. Eu morei na Espanha nessa época e trouxe comigo para essa peça o universo da televisão, da cultura de massa e da música dessa década. A peça tem uma linguagem muito contemporânea de paródia (no sentido de retomar as referências artísticas do passado) e dialoga com essa essência pós-moderna kitsch”, explica.

Histórico

O grupo está em processo de criação desse espetáculo há mais de cinco anos. “Acho que a mudança de perspectivas que a Simone tem na peça depois de passar por esssa experiência espiritual dialoga com todo esse nosso longo processo de montagem. Quando eu e a Luciana nos formamos no Indac, queríamos montar uma peça bacana com dois personagens femininos fortes. Escolhemos o texto do Sergio Roveri e tentamos montar logo em sequência, mas eu descobri que estava grávida, tive um câncer de mama, trocamos de diretor e perdi meu pai, coisas que foram adiando a estreia. Todos esses obstáculos serviram também para mudar a minha percepção sobre a vida e cada fase em que recomeçamos o processo serviu para enxergarmos novas coisas sobre a peça. E agora é o momento perfeito para finalmente estreá-la”, comenta Juliana Ferreira.

O diretor Mauro Baptista Vedia entrou no processo criativo depois que as duas atrizes assistiram ao bem-sucedido espetáculo “A Festa de Abigail”. “A Juliana e a Luciana viram uma remontagem dessa peça. Elas já conheciam meu trabalho, mas se encantaram com a direção e a estética dessa peça e resolveram me chamar. Tem sido muito tranquilo trabalhar com todos, porque o elenco se joga muito nos papeis”, revela.

Uma versão ainda não finalizada do espetáculo foi montada em maio de 2018 e apresentada em centros culturais da prefeitura.

Sinopse

Uma mulher sofre um acidente doméstico e se vê confrontada com a própria alma. O encontro entre as duas faz surgir questionamentos e avaliações sobre sua vida, incluindo o relacionamento com um homem que sua alma considera sem graça e medíocre. Situações engraçadas e reflexões existenciais pontuam a narrativa desta comédia dramática espírita pop, com cenário instagramável.

Ela Entre Nós, criação coletiva a partir da obra “De Alma Lavada”, de Sergio Roveri

SP Escola de Teatro – Sala Hilda Hilst – Praça Roosevelt, 210, Consolação (próximo às estações República, Linhas 3-Vermelha e 4-Amarela do Metrô e Anhangabaú, Linha 3-Vemelha do Metrô)

Temporada: 18 de outubro a 24 de novembro

Às sextas, aos sábados e às segundas, às 21h, e aos domingos, às 19h

Ingressos: R$30 (inteira) e R$15 (meia-entrada)*

*Ingressos à venda apenas em dinheiro

Classificação: 12 anos

Duração: 60 minutos

, , , , ,