Com direção de Pamela Duncan, O Inventor de Sonhos traz para o teatro as fábulas do humanista Leonardo da Vinci

Para comemorar os 500 anos de Leonardo da Vinci, a estreia do novo projeto d’A Peste – Cia Urbana de Teatro, junto a Em Cena produções, acontece, gratuitamente, de 26 de março a 4 de abril e convida as crianças e suas famílias a conhecerem uma das mil facetas deste gênio da humanidade: a escrita

Da Redação | outrosquinhentos.com | Foto de Capa de Jefferson Pancieri

Para este espetáculo a companhia escolheu três fábulas do autor: “O Papel e a Tinta”, “A Navalha” e “A Rede”. O elenco é composto pelos atores Paulo Arapuá (Michelangelo), Ricardo Moraes (Raphael) e Sol Leão (Gioconda).

A partir das fábulas, Leonardo da Vinci – ecologista, humanista, vegano, lutou pela preservação dos rios a animais na sua época – contava aos populares do seu tempo sobre a preservação da natureza e apontava valores essenciais para boa convivência entre os humanos. “Durante nosso processo criativo construímos uma dramaturgia que colaborasse com esse espírito, com o objetivo de acender nas crianças e adultos o amor pela arte, pelos artistas e pela defesa da natureza”, comenta a diretora Pamela Duncan.

“Estamos celebrando 500 anos, mas sua obra permanece viva e atual. O grupo decidiu homenagear este brilhante criador e ativista atemporal por achar que os tempos se repetem e precisamos conversar sobre nobres valores de convivência que são a base da preservação de uma sociedade”, conta a diretora.

Sinopse

“O Inventor de Sonhos” conta a história de um aprendiz e uma atriz de commedia dell’arte que entram escondidos no ateliê para descobrir os segredos do mestre. Os jovens encontram uma invenção secreta, “A Máquina do Tempo”. Por descuido, ligam a máquina e são trazidos para 2021, ou seja, quase 500 anos depois, trazendo também o porteiro do Leonardo da Vinci que estava vigiando o ateliê, Michelangelo. Os aprendizes e Michelangelo  se metem em muitas aventuras e ainda encenam as fábulas do mestre para os habitantes do futuro.

Com ajuda de bonecos, teatro físico, adereços, música e muita imaginação, os atores homenageiam o mestre contando suas fábulas. Após uma trapalhada com a máquina do tempo, eles voltam ao passado, onde quem os espera é o próprio Leonardo da Vinci.

Sobre as fábulas

O Papel e a Tinta 

Conta, de forma lúdica e poética, as travessuras de uma caneta que muda a vida de uma singela folha de papel, dando a importância aos livros e a escrita.

A Navalha

História de uma navalha orgulhosa e pretensiosa que abandona o barbeiro, se achando insubstituível.

A Rede

História de um cardume de peixes ornamentais que estão cansados de serem capturados por um tirano pescador, que pesca só por prazer de vê-los longe do mar.

Ficha Técnica

Direção, dramaturgia e figurinos: Pamela Duncan

Elenco: Paulo Arapuã, Ricardo Moraes e Sol Leão

Assistente de Direção: Pedro Guida

Trilha Sonora:  Sérvulo Augusto, Pedro Guida e Pamela Duncan

Voz em Off: Rodrigo Jubelini

Adereços: Lucas Luciano e Ivaldo de Mello

Costureira: Judite Lima e Lecy Andrade

Design Gráfico: Thais Capeto

Vídeo-cenário: Giuliano Scanduzzi

Assessoria de imprensa: Pombo Correio

Designer de luz: Jonas Ribeiro

Fotografia: Jefferson Pancieri

Produção audiovisual: Luz Audiovisual

Produção de conteúdo para mídias sociais: Luiz Felipe Pedroso

Produção: Felipe Calixto e Pamela Duncan

Produção executiva: Jorge Alves

Coordenação do projeto: Felipe Calixto

Realização:  Ministério do Turismo, Secretaria Especial da Cultura e Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, Em cena produções e A peste, cia urbana de teatro

Serviço

26 de março a 4 de abril
Sextas, sábados e domingos, às 16h
Duração: 55 minutos
Grátis



, , , , , , , ,