Como armazenar alimentos e mantê-los saudáveis por mais tempo?

Em época de quarentena, alguns cuidados são essenciais na hora de armazenar suas compras para preservar o sabor dos produtos e protegê-los de fungos e bactérias

por outrosquinhentos.com

Idas eficientes ao supermercado para fazer compras maiores são uma das tarefas que exige planejamento. Então, que tal aproveitar de um jeitinho inteligente o seu tempo e dedicar a isso da maneira mais eficiente? Só assim é possível se organizar para saber exatamente o que adquirir, sem esquecer de nada e ainda conseguir driblar as tentações que podem aparecer durante o caminho. Dessa forma, é mais fácil evitar que o estresse e a ansiedade atrapalhem seus planos!

Assim que chegar em casa é hora de guardar os alimentos para que possam ser consumidos nos próximos dias. Mas você sabe como fazer isso da maneira correta?

O Nutricionista do Vigilantes do Peso, Matheus Motta, explica que muitas pessoas têm dúvidas sobre qual é a forma adequada de armazenar cada alimento. “Comprar e guardar na geladeira parece simples, afinal fazemos isso automaticamente. Mas nem sempre é tão fácil como parece. Muitos itens são colocados no lugar ou à temperatura errados e, por isso, precisamos ter cuidado e atenção”.

Confira 10 dicas que separamos para você armazenar seus alimentos de forma correta, mantendo-os saudáveis por mais tempo, e facilitar o preparo:

1. Temperos – como alho e cebola descascados – devem ser guardados dentro da geladeira em recipientes fechados. Dessa forma, evita-se o contato com o ar, que pode alterar a cor e a textura dos alimentos. Salsinha e cebolinha podem ser picadas e congeladas em um recipiente fechado no freezer.

2. Prefira armazenar legumes e verduras nas gavetas inferiores. Não esqueça de lavar e secar as folhas antes de guardá-las.

3. Certos alimentos duram mais quando fechados em embalagens ou sacos plásticos – como cenoura, beterraba, chuchu, pepino, berinjela, jiló e pimentão.

4. Algumas pessoas têm o hábito de colocar o açúcar na geladeira. Isso não é necessário, desde que ele fique em um recipiente fechado.

5. Guardar a manteiga na geladeira depende da recomendação do fabricante. Leia sempre o rótulo para verificar a melhor maneira de agir. Já a margarina deve ser conservada sempre na geladeira.

6. Mantenha o leite em sua embalagem original e armazene na prateleira da geladeira. O tempo de validade é, em média, de três dias após aberto.

7. Frios – como presuntos e queijos – devem ser colocados em recipientes com tampa e guardados na gaveta própria para estes itens.

8. Não há necessidade de guardar o mel na geladeira. Caso se formem cristais de açúcar, basta aquecer o frasco em banho-maria até que se dissolvam.

9. O café pode ser guardado na geladeira para manter o seu aroma e frescor.

10. Para os ovos, apesar do que muitos pensam, a porta da geladeira não é a melhor opção para armazenamento. A abertura e fechamento da porta diminui a eficácia da refrigeração, além oferecer maior risco de quebra da casca.

Em tempos de quarentena, o congelamento de alimentos pode ser de grande valia

Com o objetivo de orientar a população que tem seguido as determinações do Governo do Estado de São Paulo da quarentena em combate ao Covid-19, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo traz algumas dicas e recomendações sobre o congelamento doméstico de alimentos.

Em escala industrial, praticamente todos os alimentos podem ser congelados, mas no congelamento doméstico é preciso escolher os alimentos. Alguns podem perder a textura, como muitas frutas, as batatas, maioneses, gelatinas, verduras, porém outros são perfeitamente aproveitados, tanto em valor nutritivo, quanto em sabor, sejam crus ou já preparados. Ovos, por exemplo, não devem ser congelados dentro das cascas ou já cozidos, por perderem a textura.

Porém, é possível congelá-los inteiros fora das cascas, mas por apresentarem grumos gelatinosos o melhor é congelar claras e gemas separadas, acrescentando-se às gemas um pouco de sal ou açúcar. As claras, porém, congelam bem cruas, então o importante é identificar na embalagem a quantidade de claras ou gemas que foram congeladas e se foi adicionado sal ou açúcar, para garantir sucesso das receitas aonde forem empregadas.

Os cogumelos como o shitake podem ser limpos com pano descartável úmido, apresentando ótimos resultados se refogados rapidamente em óleo, azeite, manteiga ou margarina e congelados em potes de plástico rígido, por até oito meses e ficam ótimos em diversos preparos, dando um toque especial.

Temperos verdes, como salsa, cebolinha, coentro e outras ervas, é só lavar, deixar secar bem, picar e congelar. Uma dica é misturar alguns, como salsa e cebolinha, congelar em forminhas com um pouco de água e depois guardar os cubos de gelo para usar no momento do preparo.

Várias hortaliças compradas frescas também podem ser congeladas e o congelamento é a técnica de conservação que melhor preserva as propriedades nutricionais das hortaliças.

Depois de lavadas, devem cortadas em pedaços não muito grandes e rapidamente cozidas no vapor, em microondas em vasilhames próprios ou aferventadas em água. Na sequência, ainda quentes devem ser mergulhas em água gelada, até esfriarem completamente. Essa técnica é chamada de “branqueamento”. O tempo em que ficará mergulhada em água fervendo ou no vapor varia de acordo com cada hortaliça. A seguir, escorrer, enxugar com papel toalha ou pano descartável limpo e embalar em sacos plásticos em pequenas porções, retirando todo o ar do interior da embalagem. Depois de congeladas, não devem ser utilizadas cruas, mas refogadas, cozidas em sopas, molhos e purês.

As carnes cruas não devem ser congeladas temperadas, pois podem escurecer e ter seu sabor alterado, à exceção de hambúrgueres caseiros, almôndegas e alimentos já prontos. A melhor forma de congelar carnes cruas é congelar em peças pequenas, cubos, tiras, moídas e os bifes de forma individual, separados por filme plástico. As carnes cruas quando descongeladas não devem ser recongeladas, mas podem voltar ao freezer depois de preparadas (cozidas, fritas ou assadas).

Ao congelar aves, deve-se atentar para que estejam com cheiro suave, a pele macia, seca e de cor clara, sem manchas, com a carne de consistência que não esteja nem mole e nem dura demais.

Os peixes devem ser limpos, vísceras retiradas ou então congelados em filés. A embalagem deve ser dupla para não passar cheiro ao freezer. No caso de peixes e frutos do mar, recomenda-se não descongelar totalmente e iniciar o preparo quando ainda estão gelados. Já a carne suína deve ser descongelada totalmente dentro da geladeira antes de ser temperada e preparada. No caso dos alimentos já temperados e prontos para preparo devem ser seguidas as instruções descritas nas embalagens.

“Muitos pratos podem ser pré-preparados e congelados. Depois descongelados e finalizados, agilizando muitas receitas e simplificando o dia a dia. É possível também preparar por completo, congelar e, na hora que desejar, basta descongelar, aquecer e consumir. No entanto, é necessário sempre respeitar as técnicas corretas para que os pratos fiquem saborosos e na consistência adequada, evitando que fiquem com aparência ou sabor de comida requentada”, ensina a nutricionista Beatriz Cantusio Pazinato, responsável pela coordenação de vários treinamentos na área de preparo de alimentos e também por diversas publicações editadas pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento, por meio da Coordenadoria de Desenvolvimento Rural Sustentável (CDRS).

Estes são apenas alguns exemplos, mas praticamente tudo pode ser congelado, como leite, queijos, pães, tortas, salgadinhos já fritos ou por fritar. Use a criatividade, mas principalmente use o bom senso e fique atento à limpeza da pia, bancada de preparo, recipientes. Congelar vai facilitar a sua vida, gerar economia e evitar desperdício.

Vantagens

Entre as várias vantagens, como aproveitar os produtos que estão na safra por terem preços melhores, há a possibilidade de preparar maior quantidade de alimentos de uma só vez usando menos gás e menos produtos de limpeza.

Pode-se, também, fazer um planejamento melhor do cardápio e evitar o desperdício congelando em porções em quantidades certas para o uso diário e evitando que sobrem pequenas porções (restinhos) na geladeira, deixando maior espaço para os produtos que não são congelados. No entanto é importante não sobrecarregar os aparelhos, não ultrapassando a quantidade máxima de armazenagem indicada no manual de instruções do freezer doméstico.

, , , , ,