Confira alguns cuidados que devem ser tomados com os animais de estimação no período de festas e férias

Da Redação

Encontros de família, casa enfeitada, viagens… o período de festas e de férias é esperado por muita gente, mas pode representar um perigo para os pets. Os animais costumam sofrer com fogos de artifício, podem ingerir alimentos inadequados nas festas e, ainda, sentem muito calor nos dias mais quentes.

Para que os pets passem bem nesta época do ano, conheça algumas recomendações da Mars Petcare, dona das marcas PEDIGREE® e WHISKAS®,  para garantir o bem-estar e a segurança dos animais de estimação.

Não compartilhe o resto da ceia de Ano Novo, por menor que seja a porção. Parece um carinho, mas nem tudo o que é bom para nós é bom para os pets. Além de uma pequena porção de comida poder ultrapassar as necessidades energéticas diárias dos pets (e ajudar na obesidade), alguns alimentos podem causar alterações gastrintestinais, que podem ser discretas ou graves.

Fuja dos rojões e fogos de artifícios. Muito utilizados nesta época do ano, eles causam terrível sofrimento aos animais. Por terem a audição mais sensível, os cães são os que mais sentem incômodos, que se manifestam através de tremores, latidos, tentativas de fuga e, muitas vezes, eles acabam se machucando. O ideal é não deixar o animal sozinho. Se possível, isole o som e a iluminação para diminuir o estresse.

Levar gatos e cães à praia exige cuidados especiais com alguns tipos de parasitas. Informe-se, previamente, com o Médico-Veterinário de sua confiança e lembre-se que em muitas praias a permanência de animais de estimação é proibida.

Fique atento ao piso quente, que pode queimar as patas e causar sofrimento aos pets. Também atente ao calor que ele sente quando exposto ao sol, principalmente os gatos e cães de pelos longos. Mantenha sempre água limpa e fresca à disposição e prefira horários mais frescos para os passeios (início do dia e começo da noite).

Se a viagem for de carro, passeie com o animal antes dele entrar no veículo para que ele faça suas necessidades. O ideal é acostumar o animal com o movimento antes de iniciar o percurso.  Não é indicado que o pet seja alimentado antes das viagens e durante o trajeto, já que eles podem ficar enjoados. Nunca deixe-o solto dentro do carro. O recomendado é utilizar caixa de transporte adequada ou, para cães, cinto de segurança próprio. Não permita que o animal coloque a cabeça para fora da janela, pois isso pode causar otite ou machucados em caso de impacto com insetos ou pedras.

Importante que se altere o mínimo possível a rotina do animal (horários de alimentação, passeios e brincadeiras por exemplo).

Vale lembrar que o pet deve estar devidamente identificado com plaquinha na coleira ou microchip, além de estar em dia com vermifugação, vacinações, anti-pulgas/carrapatos.

, , , , ,