Dia do Consumidor: quais cuidados são necessários na hora da compra online?

58% dos consumidores pretendem aproveitar a ocasião para efetuar uma compra, produtos mais procurados são roupas e calçados, smartphones e computadores e videogames

Da Redação

No dia 15 de março é comemorado o Dia do Consumidor. A data, que tem se popularizado a cada ano, tem feito com que os varejistas se preparem cada vez melhor, oferecendo promoções e as ações personalizadas para atrair a atenção do público. De acordo com um levantamento feito pelo Google Survey, 58% pretendem aproveitar a ocasião para efetuar uma compra, e os produtos mais procurados são roupas e calçados, smartphones e computadores e videogames.

Em relação ao e-commerce, o estudo mostra que 31% dos entrevistados pretendem comprar pela internet, devido à praticidade, à comodidade e à facilidade que ela proporciona ao consumidor, representando um aumento de 13 milhões de visitas a lojas virtuais de todo o País.

Ao mesmo tempo em que o e-commerce alcança índices significativos de vendas durante as datas sazonais, o número de fraudes cibernéticas contra o cliente final também representa uma ameaça, tornando-se cada vez mais vulneráveis a esses ataques.

Para que o cliente possa desfrutar ao máximo os benefícios dessa data, a Konduto, empresa especialista no combate à fraude online, listou sete dicas para ajudá-los a comprar com segurança e evitar as armadilhas feitas por criminosos digitais:

1. Reputação da loja: Consulte a reputação do e-commerce em sites como o Reclame Aqui e procure comentários sobre ele nas redes sociais. E-commerces que não têm uma boa reputação nessas páginas devem ser evitados;

2. Informações básicas: Verifique se o e-commerce possui razão social, CNPJ e se a empresa informa endereço físico e telefone de contato, para caso haja algum problema na entrega;

3. Formas de pagamento: Desconfie de lojas que disponibilizam unicamente boleto bancário como forma de pagamento e não permitem pagamentos por cartão de crédito. E-commerces precisam cumprir uma série de exigências legais para poderem receber transações por cartão, um processo que seria extremamente oneroso para um fraudador. Além disso, o cartão de crédito é sempre muito mais seguro e, em caso de fraude, o cliente tem o respaldo legal para pedir o ressarcimento do valor;

4. Medidas de segurança: O consumidor precisa tomar cuidado com e-mails falsos (phishing), manter um antivírus sempre atualizado no computador e no smartphone e nunca deve enviar dados sensíveis de cartão de crédito (número, código CVV e validade) por e-mail, chat ou mensagem de texto;

5. Desconfie de promoções “imperdíveis”: Encontrou algum desconto imperdível, como por exemplo uma passagem aérea para uma data próxima com 80% de desconto, ou então um smartphone recém lançado pela metade do preço? Cuidado! Criminosos utilizam estas “vantagens incríveis” como chamariz para atrair o consumidor desatento;

6. Conexão segura: Um requisito básico para lojas virtuais idôneas é a utilização de um certificado de segurança SSL (Secure Socket Layer, em inglês), que criptografa toda a comunicação entre usuário e site. Mas atenção! Sites falsos também podem ter HTTPS no endereço eletrônico. O fato de o site não ter SSL acende uma luz vermelha, mas o fato de ele ter o HTTPS não significa necessariamente que ele é idôneo;

7. Comentários de clientes: Os chamados reviews, comentários postados sobre um determinado produto ou loja, são muito importantes para garantir que comprar naquele e-commerce é seguro. Verificar se há informações sobre entregas, qualidade do produto e atendimento é essencial para saber se a loja cumpre com aquilo que promete.

, , , , ,