Diabetes Infantil: Brasil é o terceiro país com mais casos entre crianças e adolescentes

Na América Latina, 127,2 mil convivem com a diabetes, e o país com mais registros é o Brasil: 95,5 mil casos

Da Redação | outrosquinhentos.com

No ranking global, o país só perde em número de casos para os Estados Unidos e a Índia – os números, no entanto, não demonstram maior incidência da doença entre os brasileiros; de acordo com a IDF, a posição do país entre os primeiros do ranking se deve ao tamanho de sua população. Segundo o relatório da IDF, cerca de 98,2 mil crianças e adolescentes com menos de 15 anos são diagnosticados com diabetes tipo 1 a cada ano – o número sobe para 128,9 mil quando a faixa etária se estende até os 20 anos.

Diabetes é uma doença crônica, que atinge mais de um milhão de crianças brasileiras. Ela afeta o metabolismo em que o açúcar no sangue atinge níveis muito altos, desregulando o funcionamento metabólico e está relacionada à destruição das células do pâncreas, causando diretamente a deficiência de insulina. Isso vale tanto para pacientes infantis quanto adultos.

Segundo a Associação Americana do Coração, crianças e jovens não devem consumir mais de seis colheres de chá de açúcar por dia. E açúcar aqui significa qualquer tipo de adoçante que não seja natural do alimento, como o próprio açúcar refinado, mel, adoçante, açúcar mascavo, frutose. E para crianças menores e 2 anos de idade nenhum tipo de açúcar acrescentado deve ser oferecido.

De acordo com a pediatra Dra. Loretta Campos, é durante a infância que o ser humano desenvolve o paladar, além de o organismo também estar em fase de desenvolvimento. “Isso significa que ao oferecer açúcar aos pequenos, estaremos acostumando seu paladar ao doce, e eles irão sempre querer consumi-lo em maior quantidade,” alerta a médica.

O consumo de açúcar na faixa etária de 2 até 18 anos influencia muito na condição cardiovascular da pessoa. O excesso desse alimento nessa idade pode causar diabetes, aumento nos níveis de colesterol, risco cardíaco, hipertensão arterial e obesidade. “Além disso, essa ingestão não controlada pode atacar o sistema imunológico, interferindo na absorção de cálcio e magnésio, diminuir o volume de nutrientes sintetizados, influenciar no aparecimento de cáries, sobrepeso e até depressão,” reforça Loretta.

Os refrigerantes, doces coloridos (cheios de corante e açúcar), bolos, biscoitos e sucos industrializados contém um nível muito alto de açúcar e devem ser evitados. Por isso, é necessário melhorar os hábitos alimentares desde de cedo, assim a criança vai logo se acostumar com bons hábitos, e terá um ótimo reflexo na sua saúde durante a vida adulta.

Os sintomas do diabetes tipo 1 em crianças e adolescentes surgem de forma repentina. A abundância de energia marcante da faixa etária é substituída por um cansaço frequente. Dessa maneira, a criança sente muita fome e perde peso de uma hora para outra.

No caso do diabetes tipo 2, os sintomas surgem, muitas vezes, devido à alimentação inadequada. Isso resulta em muita sede, muita vontade de urinar, e o escurecimento de dobras, como a da axila e do pescoço, por exemplo.

Saiba como evitar oferecer produtos com alto níveis de açúcar para as crianças e manter uma boa rotina alimentar:

  1. Manter o aleitamento materno como única fonte de alimentação até os 6 meses de idade se for possível;

  2. Jamais substitua as refeições principais por lanche;

  3. Incentivar a variedade de alimentos, incluindo frutas, verduras e legumes;

  4. Limitar a ingestão de carboidratos refinados e gorduras saturadas;

  5. Aumentar as atividades físicas.

“O tratamento do diabetes é feito principalmente por meio do controle da alimentação, regulando a quantidade de carboidratos que a criança ou adolescente consome durante o dia. Por isso, é indicado o acompanhamento de um nutricionista de confiança,” finaliza a pediatra Loretta Campos.

, , , , , ,