Estudante com síndrome de down gosta de ir para a escola e sonha em trabalhar com teatro e dança

Alessandra está matriculada no ensino regular e participa de terapias na APAE DE SÃO PAULO. A Organização, que está completando 58 anos, defende a educação inclusiva

Da Redação

Alessandra Mendonça tem 14 anos e frequenta desde os quatros anos de idade a escola regular. Ela nasceu com síndrome de down e foi encaminhada ainda bebê à APAE DE SÃO PAULO para ter acompanhamento especializado. Sua mãe, Adriane Mendonça, conta que o apoio da Organização, junto ao estímulo familiar, é importante para que a filha desenvolva suas habilidades e conquiste autonomia. “Eu a levei para a APAE DE SÃO PAULO quando era bebê para que ela tivesse o acompanhamento com especialistas, como fisioterapeutas, fonoaudiólogos e terapeutas, que davam dicas muito importantes para o desenvolvimento dela”, diz. “Eles ajudam para que ela se torne mais independente”, completa.

Alessandra diz gostar de frequentar a escola regular, pois tem a oportunidade de participar de atividades junto com os colegas que não tem síndrome de down, o que a estimula a aprender coisas novas. “Eu gosto dos meus amigos e sou muito bem tratada. Eles me ajudam a fazer as lições e entender as atividades. Isso me ajuda bastante”. Ela diz, porém, que falta mais apoio aos professores na sala de aula. “Isso seria muito importante, porque os professores não têm tempo de dar muita atenção. Isso é uma dificuldade”, completa.

Além de frequentar o ensino regular e receber apoio da APAE DE SÃO PAULO, Alessandra já teve aulas de balé e, atualmente, participa de um grupo de teatro na escola onde estuda. “Eu gostava muito de fazer balé e agora eu faço teatro, que eu gosto muito também. O dia mais feliz é quando tem teatro na escola”, afirma. “No fim do ano tem apresentação. Eles conseguem fazê-la participar e isso é muito importante, completa a mãe. “Eu gostaria de trabalhar no teatro, pra atuar, cantar, dançar. Eu gosto muito”, finaliza a estudante.

Alessandra participou em março do ensaio feito voluntariamente pelo fotógrafo Mário Castello para a campanha “Síndrome de Down: eu escolho incluir”, promovida pela APAE DE SÃO PAULO para conscientizar a sociedade sobre a importância de se promover a inclusão de pessoas com deficiência intelectual em todas as esferas sociais. Na foto, ela está vestida de bailarina, um sonho a ser realizado.

Campanha Educação Inclusiva

A APAE DE SÃO PAULO completou neste 4 de abril, 58 anos de atividades e está reforçando o apoio à inclusão de pessoas com deficiência na educação regular, por meio da Campanha Educação Inclusiva, idealizada pelo Núcleo de Políticas Públicas e Advocacy para informar a população de que existe um canal de denúncias para situações de violação de direitos contra pessoas com deficiência intelectual no ambiente escolar, como discriminação, dificuldade de acesso, falta de apoio e material escolar inadequado. Na capital paulista, as denúncias devem ser feitas pelo telefone (11) 3913-4015 e serão direcionadas à Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência de São Paulo.

Nessas quase seis décadas, a APAE DE SÃO PAULO segue atuando na saúde, na defesa e garantia dos direitos e no apoio à inclusão social de centenas de milhares de pessoas com deficiência intelectual. Somente em 2018, mais de 17,6 mil pessoas foram atendidas em diversos serviços, desde a infância até o envelhecimento.

, , , , , , , , , ,