Golpe do SMS: criminosos enviam boletos falsos por mensagem. Saiba como se proteger das fraudes

Vítimas relatam que as cobranças fakes mais comuns são de serviços de telefonia e tevê a cabo. Verificar o remetente e não clicar em links suspeitos estão entre as orientações de especialista em tecnologia mobile

Da Redação

Dados da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) mostram que cerca de 3,7 bilhões de boletos bancários de venda de produtos ou serviços são pagos anualmente. A facilidade de pagar contas por meio de aplicativos no celular conquistou brasileiros há poucos anos. Há quem não mais compareça fisicamente ao banco, já que pode realizar quase todos os serviços bancários em um toque, com o aparelho celular na palma da mão. Acontece que, com um novo golpe, cibercriminosos aproveitam o cenário para aplicar fraudes.

Na internet, por meio de um site de reclamações, centenas de vítimas relatam o recebimento de boletos falsos por sms. Os títulos de pagamento costumam vir em nome de empresas prestadoras de serviço, principalmente do segmento de telefonia e tevê a cabo.

Foi o que aconteceu com Renato Torres, estudante de direito. Ele recebeu uma cobrança exorbitante com um código de barras digitado, via sms. “Chamou a atenção o valor elevado. Eu já fui cliente NET e teria que ter aos menos uns 7 contratos para pagar tanto assim em uma mensalidade. Sem contar que a mensagem está muito mal escrita”, contou Renato, que mora em Recife.

O especialista em tecnologia e segurança mobile, Bruno Ducatti, explica que, para não cair em golpes, as potenciais vítimas devem se ater aos detalhes. “Muitas vezes a pessoa quem recebe esta cobrança nem chega a ter vínculo contratual com a falsa fonte cobradora. Mas, se por ventura tiver, ela pode observar outros pontos, como: a grafia da mensagem, o número de origem e suspeitar de urls encurtadas, pois elas são um forte indício de golpe”, alerta o especialista.

No caso de Mariana Xavier, jornalista que vive em Brasília, a fatura falsa recebida tinha valor idêntico a “verdadeira” que ela precisava pagar. “Não cai no golpe porque eu uso o aplicativo da empresa, e esse não costuma ser o canal oficial de comunicação. Não sei como eles conseguem saber o valor real da nossa conta, até os centavos. Se a pessoa não for atenta, sem dúvidas, dá para confundir”, relata a consumidora. Ela contou ainda que, em outro episódio, o que entregou a fraude na SMS falsa foi o link para acesso ao boleto.

O especialista alerta que os golpes podem ser mais sérios que parecem e deixar um prejuízo ainda maior. “Algumas destas mensagens vêm com links para que a vítima acesse e consiga visualizar o boleto. Neste momento é aberta uma nova janela, onde o criminoso instala um vírus, capaz de roubar senhas bancárias e de serviços on-line. A partir de então eles podem clonar os cartões e fazer compras pela internet. Por isso nunca abra links não confiáveis”, orienta Ducatti.

COMO RECONHECER UM BOLETO FRAUDADO

Não faltam opções para quem quer comprar na internet. Uma delas é o cartão de crédito, considerada a forma de pagamento mais segura no ambiente web. Porém, mesmo com evidências de que essa é a opção mais segura, ainda há muitas pessoas que preferem pagar com boleto bancário. Para ajudar esse público a não cair em armadilha, a Konduto, empresa brasileira especializada em análise de fraudes, listou três dicas de como reconhecer um boleto fraudado.

1. Confiar na fonte de emissão do boleto: Muitas vezes as fraudes acontecem da seguinte forma: o fraudador encaminha um e-mail, SMS ou WhatsApp com o link do boleto adulterado, como se fosse esse lojista, induzindo o cliente a efetuar o seu pagamento. Dessa forma, não é recomendado que os consumidores baixem documentos por meio dessas fontes. A melhor maneira de evitar cair em golpes é acessar o boleto direto do site da loja.

2. Prestar atenção no valor do boleto: Em todos os boletos bancários, os últimos números do código de barras se referem ao valor do documento – ou seja, se ele termina em 20126, significa que a quantia a ser paga é de R$ 201,26. Portanto, se essas informações forem divergentes, o consumidor consegue identificar se o boleto é verdadeiro ou fraudulento. Por isso é muito importante se atentar a esses pequenos detalhes, pois eles podem ser determinantes na hora de identificar uma fraude.

3. Prestar atenção nos dados e no código de barras do boleto: Um ponto importante é verificar se os dados bancários, como agência e conta, estão escritos de forma legítima – um documento que tenha esses símbolos apagados ou substituídos por símbolos é um sinal de alerta. Além disso, o consumidor deve se atentar ao código de barras: ele representa a sequência de números do próprio boleto. Caso este campo esteja danificado ou com algum indício de violação, o cliente é “obrigado” a digitar a sequência numérica, que pode ter sido alterada.

, , , , , , , , ,