Incesto Financeiro: Entenda seu papel na educação financeira de seu filho

Especialista em conscientização financeira explica o quão prejudicial é para uma criança ser introduzida em responsabilidades adultas

por outrosquinhentos.com

Para falarmos de incesto financeiro precisamos entender a expressão, que ilustra a ação dos pais em relação aos filhos de maneira desapropriada em assuntos financeiros. Aproveitando o período de final de férias, Rebeca Toyama, especialista em conscientização financeira, explica a importância dos pais terem claro esse conceito, evitando expor a criança a assumir um papel adulto em relação às finanças, quando eles não sabem distinguir as próprias necessidades e, por conseguinte, das crianças.

Para a especialista, o incesto financeiro, termo cunhado pelos doutores em psicologia Brad e Ted Klontz é uma forma de abuso emocional, onde o adulto usa o dinheiro para manipular uma criança para satisfazer alguma necessidade.  Muitas vezes, este indivíduo acaba colocando na criança uma carga maior do que ela suporta na fase infantil e assim desenvolvendo conceitos errados e prejudiciais sobre o dinheiro quando chegar na vida adulta. “Por muitas vezes o incesto financeiro não é consciente, e posso dizer, os adultos que viveram desta forma têm mais probabilidade de repetir o erro com os próprios filhos”, ressalta.

Durante as férias escolares por exemplo, as crianças tendem a fazer atividades extracurriculares, participar de colônias de férias, ir a um parque temático, iniciar a prática de algum esporte e até ir com os pais às compras de materiais escolares. E é nesse período que alguns assuntos preceitos financeiros mal resolvidos nos pais e entre os pais, podem afetar os filhos.

“Algumas crianças ficam confusas na infância e ao chegarem na adolescência, têm uma visão deturpada sobre o dinheiro. Como exemplo, os pais que não dialogam sobre situações financeiras e responsabilizam a criança sobre desentendimentos ou dificuldades da família. Isso é uma forma de incesto financeiro, introduzir a criança em questões nas quais ela não tem influência, pode acarretar problemas futuros na vida dos pequenos”, alerta Rebeca.

Diante deste problema, a especialista aponta que existem sim, formas de se policiar, para evitar que isso aconteça. “As preocupações, frustrações, ansiedade e até estresse pode contribuir com esse distúrbio financeiro, o mais certo a fazer é procurar um profissional para conseguir entender a origem do problema”, finaliza.

Quais situações podem evidenciar a prática do incesto financeiro?

1- Quando os pais pedem aos filhos para atenderem o telefone para escapar de uma situação de cobrança;

2- Quando um dos pais compram algum presente para o filho ou o leva a algum lugar ou passeio e pede “segredo”, para que ninguém saiba;

3- Comum quando os pais são separados, pode haver a observação e investigação da vida financeira do outro cônjuge, tendo como ponto de contato, a criança que vai analisar se o pai ou a mãe trocou de carro, comprou presentes, roupas etc.;

4- Quando os pais mostram falta de programação com as finanças e culpam os filhos pela situação;

5- Os pais frequentemente reclamam e demonstram dificuldade com as despesas domésticas e de repente compram algo caro.

Dicas para não expor os filhos a este tipo de situação:

1- Saiba diferenciar educação financeira com transferência de responsabilidade;

2 – Fique atento aos seus próprios sinais: preocupações, ansiedade, estresse financeiro, sobrecarga e falta de apoio podem contribuir para o distúrbio;

3- Tenha especial atenção aos casos de infidelidade financeira: assuntos dessa natureza devem ser resolvidos entre os pais, casados ou não;

4- Saiba equilibrar os pedidos feitos pela criança e evite dividir sua insatisfação pessoal e financeira com quem não tem como te ajudar.

5- Pedir ajuda não é pecado, hoje existem profissionais preparados para lidar com essa situação: coachs, terapeutas financeiros, psicólogos e planejadores financeiro;

, , , , ,