Infarto em jovens: cardiologista discute a realidade atual e formas de proteção

Nos últimos anos, vem crescendo o número de adultos jovens com quadro de infarto do coração. Este número é justificado, principalmente, pela maior exposição a múltiplos fatores de risco cardiovascular desde a infância e juventude

Da Redação | outrosquinhentos.com | São Paulo

O principal mecanismo para ocorrer o infarto cardíaco envolve, necessariamente, a presença de doença prévia como as “placas de gordura” (aterosclerose) nas artérias do coração. Segundo o Dr. Vitor Loures, “frequentemente nos deparamos com jovens sob infarto aos 35, 36 anos, por exemplo, porém desde a infância ou adolescência já estão expostos a vários fatores de risco, como obesidade, pressão alta, colesterol alto, sedentarismo, tabagismo. Então o cuidado é fundamental desde cedo”, explica o cardiologista.

Dados do Ministério da Saúde indicam que entre 2010 e 2019 ocorreu um aumento importante nas internações hospitalares de pessoas com até 39 anos por infarto do coração. Caso não ocorra uma mudança no estilo e hábitos de vida das populações mais jovens, estes números podem crescer.

Leia também: Mitos e Verdades sobre o narguilé: quais os riscos à saúde?

“Nos jovens, os sintomas de infarto costumam ser bem pronunciados, diferentemente nos idosos, em que o diagnóstico pode ser mais difícil de realizar. A dor no peito, de moderada a forte intensidade, é o principal sintoma relatado pelos jovens – náuseas, vômitos, palidez na pele e mal-estar generalizado também são comuns”, diz o cardiologista.

Grande parte dos indivíduos que apresentam infarto do coração nas faixas etárias mais jovens desconhecem os fatores de risco aos quais estão expostos, assim como o risco associado a eles. Por isto, a importância de realizar, periodicamente, check-ups básicos de saúde e com profissionais da área.

O grande segredo para diminuir a incidência de doenças no coração é controlar os fatores de risco, com destaque para a hipertensão arterial, diabetes, colesterol alto, tabagismo, obesidade, sedentarismo e estresse da vida cotidiana.

Àquelas pessoas com história de infarto precoce na família devem ser bem regrados quanto ao estilo de vida e manter acompanhamento médico frequente. Dr. Vitor Loures alerta, também, o risco aumentado para o coração nos jovens que utilizam esteroides anabolizantes e drogas ilícitas.

Certamente, a prevenção de doenças e cuidados com a saúde devem começar ainda na infância. A alfabetização em saúde, através campanhas, cursos e redes sociais podem contribuir positivamente na expansão do conhecimento para toda a população.

Quer ficar por dentro de tudo o que fazemos e receber nossas novidades primeiro? Faça parte da lista de Assinantes OutrosQuinhentos! É fácil, é rápido e é grátis! Envie QUERO para o nosso whatsapp (12) 99190 6677 ou clicando aqui.



, , , ,