Geração Millenials em alta! Jovens buscam investir no Mercado Financeiro

Da Redação

Há um crescente aumento no número de jovens que desejam entrar no mundo dos investimentos. Antigamente, a maioria dos investidores estava na casa dos 40 anos. Hoje em dia, cada vez mais jovens de 18 a 25 anos demonstram interesse em aprender sobre investimentos, realidade também presente no Vale.

Para estes jovens, se tornar um investidor logo que a vida profissional se inicia está sendo uma boa opção para garantir uma reserva financeira. Isso ocorre por conta das várias alterações na economia do país, pela conscientização de se ter uma boa reserva no futuro e pela popularização de investimentos pelas plataformas de conhecimento e investimento que podem até ser acessadas por celular (geração millenials).

“Há algum tempo, principalmente nesta última década, o perfil de investimento do brasileiro vem sofrendo mudanças significativas, refletindo um amadurecimento da cultura econômica da parcela da nossa sociedade que busca no mercado financeiro, uma melhor rentabilidade para seus investimentos”, comentou o assessor de investimentos e sócio diretor da Plátano Investimentos, Jailson Portugal.

Com organização e disciplina, os jovens estão indo atrás de conhecimento e ficando por dentro das várias opções que o mercado financeiro oferece, para se obter um bom rendimento para o dinheiro poupado. Sejam em modalidades de curto ou longo prazo, os jovens estão descobrindo um mundo novo na área financeira. É no investimento financeiro que encontram uma possibilidade de aumentar o seu patrimônio de maneira segura e ter uma certa autonomia financeira.

Na contramão de boa parte dos brasileiros

A falta de cultura financeira ainda faz com que muitos brasileiros deixem de investir bem o seu dinheiro, já que a maioria não tem conhecimento das modalidades mais rentáveis dentro de cada perfil de exposição.

Exemplo claro disso é a poupança que segue sendo a modalidade eleita para cerca de 85% dos que investem. Esse número mostra claramente que, muito embora a parcela de investidores vem aumentando ao longo do tempo, o brasileiro ainda investe mal suas economias.

“A poupança, que vem do verbo poupar e não investir, é um dos investimentos mais procurados e um dos que têm uma das piores alternativas em termos de rentabilidade, já que muitas vezes o rendimento da caderneta fica abaixo da inflação. Ou seja, ao invés de ganhar no médio/longo prazo, o investidor na verdade está perdendo dinheiro”, falou Paulo Naressi, sócio da Plátano Investimentos.

Estes novos jovens investidores estão antenados e fugindo da “tradicional poupança”, por este motivo estão buscando outras modalidades de investimentos.

À disposição estão produtos de Renda Fixa, tais como: CDB (Certificado de Depósito Bancário), LCI (Letra de Crédito Imobiliário), LCA (Letra de Crédito do Agronegócio) e também aplicações em Renda Variável, como a compra e venda de ações e compra de cotas de fundos multimercados.

Estes jovens, à medida que vão investindo, vão tomando gosto e ficando mais arrojados. Segundo a B3 – Bolsa de Valores Brasileira, no ano passado a bolsa ganhou 55 mil novos investidores. O aumento mais significativo foi entre os jovens (16 a 25 anos), cuja participação cresceu 28,6%. Em um ano, eles saíram de pouco mais de 14 mil aplicadores, o que representava, no fim de 2016, 2,5% do total; para 18,4 mil, ou seja 3% do todo registrado no final de 2017. A expectativa é que esse número aumente ainda mais no final de 2018.

“Entre os nossos clientes, também identificamos o aumento da participação dos jovens nos investimentos. Eles são os que mais fazem perguntas para os nossos assessores”, revelou Jailson Portugal, da Plátano Investimentos.

Importante salientar que para se construir uma vida de bons investimentos a longo prazo é altamente desejável que o investidor conte com a assessoria de um profissional especializado. O universo de possibilidades de alocação é imenso e contar com o apoio de um assessor de investimentos faz toda a diferença.

, , , , , , , , ,