Revestimento de paredes com painel de madeira: como utilizar na decoração?

Para orientar na escolha do revestimento ideal para cada ambiente, a arquiteta Patricia Penna reuniu dicas pautadas em sua experiência e projetos realizados

Da Redação | outrosquinhentos.com | São Paulo

Além de beleza e sofisticação, os painéis de madeira, que retornaram com força na decoração, contribuem também para personalização do espaço, trazendo bem-estar e aconchego onde estiverem presentes. Um outro aspecto positivo é que podem atuar, de forma indireta, na acústica do ambiente. Para a arquiteta Patricia Penna, à frente do escritório que leva o seu nome, é importante avaliar possíveis interferências como mobiliário, iluminação e circulação de pessoas, antes de definir qual tipo de revestimento utilizar. “Cada caso é um caso, por isso sempre analisamos todos esses pontos, assim, evitando problemas futuros”, revela.

Uma curiosidade dos painéis de madeira diz respeito à sua força e representatividade nos diversos períodos da história da Arquitetura e Decoração. “Nos tempos atuais, mais uma vez, observamos um aumento dos pedidos por este revestimento, fazendo uma releitura ao vasto emprego da madeira na decoração de interiores durante as décadas de 1960 e 70”, discorre Patricia.

Experiente na especificação dos painéis para o revestimento de paredes, a profissional elencou recomendações que devem ser consideradas no momento do projeto e a escolha do material. Confira:

1) Ambientes propícios para a instalação

Os painéis não ficam restritos apenas às salas de estar e jantar e podem ser empregados em outros ambientes da residência como dormitórios, cozinhas e lavabos. Para a arquiteta, um dos segredos é compor a madeira com as demais texturas das paredes. “Em áreas úmidas, como banheiros, não aconselho quando houver uma previsão de umidade intensa, como chuveiro. Para o lavabo funciona super bem!”, aconselha.

Nesta suíte, o delicado tom de ‘carvalho’ nos painéis de marcenaria foi complementado pelas nuances de cinza e grafite presentes na cabeceira, papel de parede e demais elementos. Minimalista e contemporâneo, o quarto é perfeito para os momentos de estudo de sua moradora ou de bons momentos de relaxamento e descanso! | Foto: Leandro Moraes

A porta de correr entre cozinha e jantar fica mimetizada no grande painel, em tom caramelo, que reveste toda a parede do jantar. A sensação de acolhimento é imediata | Foto: Leandro Moraes

Efeito geométrico: essa inspiração norteou a montagem dos painéis de madeira em uma das faces do amplo living com pé-direito duplo | Foto: Leandro Moraes

Um outro exemplo da polivalência dos painéis de madeira é a possibilidade de ser usado como revestimento de forro. Entretanto, Patricia destaca que é vital dar atenção à altura do pé-direito e o local de instalação. “Tudo deve ser avaliado com atenção para não correr o risco de escurecer ou trazer a sensação de confinamento ao ambiente”, discorre.

2) Tom ideal da madeira

A lâmina natural de madeira, em nuance mais escura, foi instalada formando um lindo geometrismo, com a simples inversão no sentido dos veios do material. O ‘Quartzito Arthemis’ foi a pedra escolhida para compor e ganhou um super destaque no contraste “claro-escuro” – especialmente no nicho. O resultado surpreende | Foto: Leandro Moraes

Nos projetos de arquitetura de interiores, essa questão pode ir muito além do tom original da matéria-prima, pois a versatilidade da madeira permite a pintura, a aplicação de múltiplos revestimentos e mesmo tecido. Diante disso, o fio condutor para a decisão da cor e acabamento – e como chegar ao resultado desejado –, é avaliar o ambiente que receberá o painel para só depois partir para definição de cores e padrões. “Além disso, o trabalho consiste também em avaliar se os painéis deverão ser destaque e ponto focal no ambiente, ou se assumirão ares mais discretos e de composição,”, explica a profissional.

No pé-direito duplo, o painel em lâmina natural de madeira, paginado, reforça a sofisticação no ambiente e serve de ‘apoio’ técnico, camuflando a porta de acesso ao lavabo | Foto: Sérgio Israel

3) Combinações

As combinações podem ser infinitas, mas precisam sempre estar atreladas ao projeto. O painel pode ser uma continuação do piso seguindo a mesma cor e textura, estar em um gradiente acima ou mesmo aparecer em outras cores e acabamentos, em contrastes impecáveis e muito bem alinhados.

No living, o painel em lâmina natural e paginado faz um lindo contraste com o piso | Foto: Acervo

O desafio de trabalhar diferentes materiais num ambiente corporativo é grande, pois quase sempre se faz necessário manter alguma austeridade. Na sala do diretor, os painéis de lâmina natural de madeira foram ladeados por lindos elementos geométricos metálicos “Hunter Douglas”, que criam uma movimentação muito interessante no conjunto! São diversos materiais trabalhados em nuances complementares | Foto: Leandro Moraes

4) Manutenção no dia a dia

Por fim, a arquiteta Patricia Penna chama a atenção para limpeza dos painéis de madeira, que englobam cuidados que variam de acordo com o acabamento. Lacas e outros tipos de pintura são mais frágeis. Já os melamínicos, ou a própria madeira natural, tendem a ter mais resistência. Todavia, nenhum deles demanda procedimentos extremos: em linhas gerais, um pano macio e levemente úmido é a melhor forma para mantê-los limpos e íntegros.



, ,