Pesquisa inédita da 99 aponta que 76% dos brasileiros não fazem planejamento financeiro em relação ao transporte

O estudo indica ainda que 62% da população brasileira não sabe quanto gasta por mês em suas despesas. A variação entre a percepção dos gastos com transporte e a realidade do que realmente se gasta chega a R$ 2 mil por mês entre os donos de carro

Da Redação

A 99, em parceria com a Ipsos, realizou pela primeira vez no Brasil uma pesquisa sobre comportamento e percepção do brasileiro em relação à mobilidade urbana. Com o título “Como o brasileiro entende o transporte urbano”, o estudo apontou que 76% não se planeja financeiramente quanto aos custos com transporte mensal no Brasil. Foram realizadas 1.500 entrevistas domiciliares com população 18 anos ou mais entre 29 de abril e 8 de maio com margem de erro de 2,5 p.p., em todas as regiões do País.

A pesquisa mostra que 62% sequer tem a noção de quanto desembolsa mensalmente em suas despesas gerais. A variação entre percepção e realidade sobre gastos com transporte é tanta que a diferença chega a quase seis vezes entre donos de carros. O gasto médio das despesas com transporte declaradas pelos entrevistados foi de R$ 211 – média entre todas as classes sociais. Obviamente, os gastos indicados na pesquisa variam por classe: R$ 446 (Classe A), R$ 302 (Classe B), R$ 181 (Classe C) e R$ 158 (Classe D/E).Entre donos de carro, o gasto real pode chegar até R$ 2090,58, quando declarados os valores abertamente (combustível, IPVA, manutenção e etc.).

De acordo com o levantamento, os brasileiros gastam em média 1h20 para se deslocar (ida e volta) para a atividade principal do dia. Esse o gasto é de 2h07 para cumprir todos os deslocamentos diários. As classes C e D/E são as que mais tempo levam para se locomover: 129 minutos para a classe C e 130 para as classes D/E. As classes A e B levam 94 e 124 minutos respectivamente. As regiões campeãs em tempo de locomoção são a Sudeste (144 minutos) e a Nordeste (132 minutos). Em média são 2,4 deslocamentos diários com percurso maior que 500 metros.

Um ponto levantado pelo estudo é que os entrevistados usam em média três modalidades de transporte por semana. Entre as principais, 70% andam a pé, 46% utilizam ônibus e 43% o carro particular. Por outro lado, modais emergentes como carros por aplicativos já estão inseridos na rotina do brasileiro: 18% afirma ter utilizado aplicativos na semana anterior à entrevista.

Para 4 a cada 10 brasileiros é difícil ou muito difícil a forma de se locomover no Brasil. “É importante que o brasileiro tenha informação para se planejar e buscar a melhor combinação de modais, entre os tradicionais e emergentes, públicos e privados. Só assim é possível suprir cada tipo de necessidade, gerando não só economia de dinheiro, mas de tempo, de energia e melhor qualidade de vida – além de se ter uma experiência melhor na cidade em que se vive”, diz Pâmela Vaiano, Diretora de Relações Públicas da 99.

Uma transição em curso. O estudo revela que dentre os proprietários de carros 30% abriria mão do carro em prol de outros meios de transporte. Os dados obtidos estão de acordo com um comportamento que já vem sendo observado na sociedade, em que o carro próprio deixa de ser um item dos sonhos, principalmente entre os mais jovens. Dados do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) apontam uma queda de 30% na emissão de carteiras de habilitação (CNH) nos últimos três anos.

Uma das explicações para essa queda na emissão de CNHs é o crescente uso de carros por aplicativo – na pesquisa, 79% dos entrevistados que avaliaram o serviço classificaram como bom ou excelente. “Além da qualidade do serviço, o uso de carros por aplicativo também possibilita maior controle financeiro, já que os gastos com esse modal podem ser acompanhados de perto e o usuário ganha conforto, comodidade e tempo, além da economia com impostos e gastos relacionados a um veículo próprio”, explica a executiva

Essa é a primeira vez que uma pesquisa sobre o comportamento diante do transporte e a mobilidade urbana é realizada com abrangência nacional. “Vivemos um momento de transformação e ampla discussão sobre mobilidade. Mas é preciso colocar as pessoas no centro do debate, para que planos saiam do papel e a diversidade de modais melhore a eficiência e a convivência nas cidades. Assim, entender como o brasileiro percebe seu deslocamento – em relação a hábitos, custos e escolhas – é fundamental para elaboração de soluções que atendam aos anseios da população”, afirma Pâmela Vaiano, diretora de Relações Públicas da 99.

Sai o carro, entra a qualidade de vida. Dos entrevistados que não possuem carro, 11% tinham e deixaram de ter nos últimos 5 anos. Entre as principais razões, os gastos com o veículo é o mais citado. Já para 5%, a razão é a mudança no estilo de vida. Uma melhor integração entre os transportes é o desejo de muitos brasileiros, para uma melhor qualidade de vida, conforto e economia de tempo e dinheiro.

Na garupa do Nordeste

Os nordestinos são os que menos andam a pé em comparação a outras regiões como Centro-Oeste e Norte, além disso gastam em média 95 minutos para se deslocar até a atividade principal (ida e volta).

A diversificação do Pantanal

Em média os moradores do Centro-Oeste utilizam três tipos de transportes na semana. Além disso, 23% utilizam carros por aplicativo.

Rumo ao Chuí de carro

O Sul é o que mais concentra o número de usuários de carro entre as regiões, (66% dos entrevistados na região Sul utilizaram o carro na última semana). 34% utilizam o ônibus como meio de transporte Além disso, 20% utilizou bicicleta ou patinete na última semana.

Quem mais anda a pé em todo o Brasil

Assim como Centro-Oeste, o Norte é a região que mais anda a pé. Dos entrevistados, 85% deslocam-se a pé e justamente são os que menos utilizam o carro em todo o País (23%). Em compensação, ganham de todas as regiões no uso de motos (32%).

Pelos túneis do Sudeste

Quem mora na Região Sudeste é o que mais utiliza o metrô em todo o País, dada a concentração de linhas no Rio de Janeiro e em São Paulo. São também os que menos utilizaram motos na última semana (11%). 21% utilizou carro por aplicativo na última semana.

A pesquisa domiciliar foi realizada pela Ipsos a pedido da 99. Foram ouvidas 1.500 pessoas entre 29 de abril e 8 de maio de 2019, em todas as regiões do País. Margem de erro de 2,53 pontos percentuais.

A pesquisa está disponível no link 99app.com/como-o-brasileiro-entende-o-transporte-urbano/

, , , , ,