Qual a melhor plataforma para aprender inglês?

Especialistas de escolas de idiomas explicam as diferenças dos métodos e quais são indicados para cada aluno

Da Redação | outrosquinhentos.com

Geralmente, o aprendizado de um segundo idioma envolve um longo caminho a ser percorrido. Não é incomum que o aluno troque várias vezes de método, de escola e até se arrisque a aprender sozinho. Em meio a tudo isso, existe o mercado exigindo cada vez mais conhecimento dos seus colaboradores. Não tem como escapar. Quem quer se qualificar precisa passar por muito aprendizado.

Porém, no estudo de um novo idioma, existem várias metodologias à disposição. Mas como escolher a melhor? O que deve ser levada em conta? As especialistas da Language Pro, Débora Carillo, da Escola Casa Brasileira, Angélica Mickel e da Companhia de Idiomas, Rosangela Souza explicam abaixo as diferenças entre elas e como escolher.

Plataformas sem professor

Nesse caso, as aulas são auto instrucionais e demandam uma disciplina rigorosa por parte dos alunos, pois não há o auxílio de um professor, orientando e conduzindo as aulas. Elas funcionam para alunos muito disciplinados e que não precisam desenvolver fluência.

“Nessas plataformas sem professor, as necessidades dos estudantes não são consideradas, a singularidade de cada um. Não é possível praticar a oralidade, nem interagir com os professores, que ajudam nas conexões com os temas, corrigem e dão seguimento a temas importantes que só aquele estudante precisa. Na Escola Casa Brasileira, alguns alunos que estudaram nessas plataformas chegam com lacunas no aprendizado e produção oral defasada”, afirma Angélica.

Plataformas mistas

Nesse caso, são oferecidos cursos em videoaulas, sem interação com o aluno. Esse método é indicado para alunos igualmente disciplinados e que não precisam desenvolver fluência, mas apenas compreender regras e adquirir vocabulário.

Ambientes Virtuais de Aprendizagem

Também conhecidas como LMS (Learning Management System) possuem conteúdo, mediação de professor, encontros ao vivo, práticas orais e tutoria do professor no ambiente. “Em um sistema LMS, a interação do professor vai além da prática e agrega tutoria e um plano de estudo para que o aluno colha os melhores resultados”, explica Débora, da Language Pro.

Esse tipo de metodologia é usado em universidades e escolas do mundo todo, como aceleradoras do processo de aprendizagem, permitindo algum grau de customização e de aprendizagem colaborativa. “Tudo isso aumenta os dois principais fatores que contribuem com a aprendizagem: regularidade de prática e motivação do estudante”, detalha Rosangela, da Companhia de Idiomas. Esse tipo de plataforma é indicado para grande parte dos alunos, que tendem a não ser muito disciplinados, mas necessitam de fluência.

Na escolha do melhor método, é importante levar em conta quem é o aluno, o que ele precisa e superar algumas ideias de aprendizagem que já estão ultrapassadas. “Não podemos ficar tempo demais resistindo ao novo. A empregabilidade dos profissionais atualmente depende dessa curiosidade e vontade de aprender. Quem demora demais é facilmente superado”, alerta Rosangela.

, , ,