Quanto tempo você dorme para estar bem no dia seguinte?

Pesquisa do Nube revela como os jovens enfrentam o desafio de descansar bem

por outrosquinhentos.com

O tempo dedicado ao descanso e à reposição de energias pode variar para cada pessoa. Mesmo assim, especialistas recomendam reservar ao menos oito horas ao dia para dormir e acordar renovado para um novo ciclo. Porém, com a vida agitada, nem todos conseguem seguir a orientação.

Para saber como é o comportamento dos mais novos, o Nube – Núcleo Brasileiro de Estágios fez uma pesquisa e perguntou: “quanto você precisa dormir para estar bem no dia seguinte?”. Foram 37.780 respondentes, de 15 a 29 anos, entre 1 e 14 de agosto.

Para quase metade, 48,9%, dos entrevistados, ter um sono de sete a oito horas é o suficiente para recuperar a disposição. Segundo Thatiane Reis Rogai, analista de treinamento do Nube, se atentar a esse tópico pode trazer vantagens como maior disposição, entusiasmo, criatividade e facilidade de concentração. “Isso tudo resulta em um melhor desempenho e maior produtividade na rotina”, comenta.

Outros 41,1% só conseguem repousar seis horas por noite. De acordo com a analista, ter hábitos noturnos saudáveis ajuda a ter uma vida mais equilibrada.

“Caso seja inviável para você, redobre os cuidados com outros costumes como alimentação balanceada e prática de exercícios físicos. Se ainda assim se sentir cansado, procure um especialista para te orientar em ações capazes de garantir seu bem-estar”, orienta Thatiane.

Cerca de 8,50% contaram ficar inativos por um período curto, mas já acordam dispostos. “Existe uma orientação geral para cada idade. Todo ser humano é único, portanto, é sempre importante buscar o auxílio de um profissional para te ajudar quanto às reais necessidades do seu organismo”, afirma a analista.

Já para 1,49%, o ideal é ter 10 horas para despertar revigorado e ainda tirar um cochilo no meio da tarde. “Muitos estudos apontam os benefícios de descansar brevemente após o almoço ou no período vespertino. Vale lembrar: esse repouso não substitui o sossego da noite, então invista em costumes saudáveis. Lembre-se: quem se deita pouco ou muito poderá enfrentar problemas”, conclui Thatiane.

Para quem tem dificuldades em se desligar, a especialista orienta: “opte por ocupações capazes de induzir relaxamento pouco antes de deitar. Dentre os exemplos, há a leitura de um livro ou ouvir uma música tranquila. O celular pode fazer a tranquilidade demorar mais para chegar. Por isso, defina um horário de interrupção do uso. A forma como nos sentimos, como enfrentamos preocupações e pensamentos também pode afetar esse momento. Fique atento se por dormir pouco não está te levando a uma rotina estressante: com ansiedade e baixa disposição. O resultado pode ser dificuldades na execução de suas tarefas”, alerta.

Portanto, Thatiane conclui: “Priorize os períodos de descanso e encare-os também como intervalos de produtividade, afinal, apesar de você estar dormindo, seu corpo está trabalhando a seu favor”.

, , , , , ,