Seja um tolo!

Buscar o aprendizado contínuo te colocará à frente, te garantirá uma visão mais ampla do cenário e te permitirá assumir riscos calculados para alcançar os objetivos traçados

por Andreza Silva, para outrosquinhentos.com*

Você, com certeza, já percebeu que teremos mudanças recorrentes e cada vez mais impactantes pela frente.

Já reparou, também, que precisará aprender novas habilidades para acompanhar tais mudanças e se manter atualizado.

Uma das principais habilidades desenvolvidas nesses últimos meses foi a adaptabilidade.

Você pode nem ter se dado conta, mas foi ela quem permitiu que você se ajustasse ao novo cenário de trabalhar/estudar em casa ou ainda em ter que conciliar sua rotina complexa com outras atribuições e com novas vivências.


Leia também:
Trabalhabilidade: a realidade do novo mundo

E não foi simplesmente trazer seu trabalho ou seus estudos para sua casa. Foi uma série de fatores que exigiram de você muita resiliência e, de certa forma, uma gestão mais estruturada para mudar a forma como você realiza suas tarefas ou a maneira como conduz demandas – domésticas e externas – e concilia múltiplos papéis… tudo isso sem ter tempo hábil para pensar e traçar uma estratégia… não tivemos tempo para isso. Foi ao estilo “trocar o pneu com o carro em movimento”.

Mas, apesar de ter que acompanhar o contexto e surfar em ondas de mudanças aceleradas pela pandemia, precisamos sempre alinhar nossas ações às nossas intenções.

A pandemia realçou essa necessidade. Nos fez refletir sobre nosso papel, a transformação que desejamos e o impacto que queremos causar no mundo. E mais que isso: nos fez entender que aprender é fundamental. Ser lifelong learner nessa nova era é o que mudará nosso jogo.

Aprender, desaprender e reaprender.

Buscar o aprendizado contínuo te colocará à frente, te garantirá uma visão mais ampla do cenário e te permitirá assumir riscos calculados para alcançar os objetivos traçados.

No entanto, aprender por aprender é inútil. O aprendizado precisa ser praticado para gerar resultado. Do contrário, causará uma obesidade intelectual que não mudará sua realidade nem a de ninguém.

E engana-se quem pensa que esse desenvolvimento contínuo precisa acontecer dentro dos moldes tradicionais de ensino. Ouse pensar fora da caixinha e:

  • Desafie-se a buscar conhecimento em suas interações com outras pessoas (nesse momento, de forma remota);

  • Consuma conteúdo com um repertório diferenciado para ampliar sua visão e te trazer novos insights;

  • Aprenda a diferenciar conhecimento e aprendizado: O aprendizado é o que possibilita mudar sua realidade, pois te provoca a praticar e validar o que aprendeu;

  • Aguce seu poder de curadoria: tenha clareza do seu objetivo e selecione temas e assuntos que agregarão valor ao seu repertório;

  • Lembre-se: se você é a pessoa mais inteligente da mesa, é preciso mudar de mesa;

  • E, por fim, mantenha-se faminto por novidades e nunca deixe de se considerar um tolo, pois quando acreditamos que sabemos de tudo, estagnamos e estamos mais propícios ao fracasso.

*Os textos dos colunistas são de responsabilidade de seus autores e não necessariamente expressam a opinião de outrosquinhentos.com
Você já conhece a comunidade do outrosquinhentos.com no LinkedIn? Oportunidades de recolocação, conteúdos para desenvolvimento de carreira e muito mais. Acesse aqui e conheça!



, , , , , , , ,