Ser feliz não depende de fatos e pessoas

De acordo com pesquisa, os brasileiros alcançaram o índice mais alto de infelicidade em sua história

Da Redação

O brasileiro nunca foi tão infeliz como no ano passado, de acordo com a “World Happiness Report”, pesquisa realizada pela Gallup, que mede a felicidade em todo o mundo. O estudo mostrou uma grande preocupação dos brasileiros com a crise financeira e as lideranças políticas no País. No entanto, de acordo com Heloísa Capelas, especialista em inteligência emocional e diretora do Centro Hoffman, a resposta para superar a infelicidade pode ser mais simples do que se imagina. Afinal, ser feliz não depende de fatos e pessoas e sempre é possível aprender a ser mais feliz na vida cotidiana.

Além disso, ao longo do tempo, foram criadas diferentes ferramentas que auxiliam as pessoas a sair deste estado de infelicidade, segundo Heloísa. O Processo Hoffman, ministrado por ela, é uma delas. “Por meio da metodologia que aplicamos em nosso curso, promovemos uma desconstrução de cada indivíduo para que eles entendam um pouco mais sobre como se tornaram quem são e desenvolvam a inteligência emocional. Ao terem essa percepção, conseguem também refletir de forma mais objetiva sobre os acontecimentos cotidianos de forma que não sejam tomados pela infelicidade”, afirma.

Também autora do livro “O Mapa da Felicidade”, Heloísa aborda na obra aborda as principais inteligências humanas, com conceitos e exercícios práticos. “De modo geral, a felicidade é descrita como uma sensação de bem-estar, grande alegria, contentamento, boa sorte, bom êxito, sucesso ou paz interior.”

Diante disso, confira cinco dicas selecionadas pela especialista para se encontrar o caminho da felicidade.

Ser feliz não depende de fatores externos

O que faz você feliz? Segundo Heloísa, essa pergunta é muito difícil de ser respondida. Geralmente, as pessoas não conseguem encontrar as palavras que definem a felicidade. Possuir um bom emprego, abrir o próprio negócio ou ter o carro do ano são alguns desejos muito frequentes. “Por mais diversas que todas essas respostas sejam, existe nelas algo em comum: todas têm uma condição. É a chamada condição ‘se’. Se eu tiver, se eu fizer, se isso ou aquilo acontecer”, afirma.

Para a especialista, a questão do “se” está diretamente ligada a algo que vem de fora e isso não temos controle. Essa conduta torna as pessoas dependentes e reféns de situações externas. A diretora do Centro Hoffman explica que é importante fazer um exercício de autoconhecimento e definir qual é o seu conceito de felicidade.

Seja feliz hoje

Sempre projetamos a nossa felicidade para o futuro. No entanto, é essencial trabalhar com pequenas recompensas no dia a dia. Pode ser que hoje você não se torne o diretor de uma grande empresa, mas não é necessário ser feliz apenas quando você alcança um objetivo. “Devemos nos ensinar a ter prazer na simplicidade, no aqui e agora. Uma mensagem, um jantar, um passeio, jogar um videogame”, diz a especialista.

Seja positivo

Estar em um ônibus lotado não é sensação agradável e muitas vezes é visto como sinônimo de infelicidade. De acordo com Heloísa, é preciso mudar um pouco a nossa percepção de algumas situações. “Existe positividade e felicidade em qualquer momento, é uma prática que exige treino”, diz.

No caso do transporte público, as pessoas podem aproveitar o tempo para ler um bom livro ou assistir a uma série. Essas pequenas ações podem nos dar mais prazer no nosso dia a dia.

Para ser feliz, não é preciso parar de sofrer

Estamos imersos em um mundo que entristece, aborrece, suga e cansa as pessoas. É impossível não se sentir alegre o tempo todo. “O grande problema é que não vivemos a dor no momento em que ela surge. Fugimos dela e, paradoxalmente, vivemos uma dor rasa e vazia por toda a vida ou em grande parte dela”, diz Heloísa. Para ela, é preciso tomar cuidado para não cair na armadilha da vitimização e passar a culpar todos a sua volta para se sentir melhor.

Tenha amor-próprio

É muito comum as pessoas esperarem o amor, reconhecimento e respeito dos outros. Assim, recorrem a presentes e cobrem os amigos de agrados. Mas, o amor-próprio é essencial para melhorar a qualidade de vida dos indivíduos. “Quando cada um descobre essa capacidade e se apropria dela de modo integrado, promove um relacionamento muito melhor consigo mesmo. Porque assim se instala em você a vontade de fazer o melhor por si mesmo”, afirma.

, , , , , , , , , , ,