Grafiteiro homenageia seu cachorro e cria novo estilo de arte urbana

Da Redação

O grafiteiro Léo Shun faz homenagem para seu cachorro de estimação através do graffiti. A ideia da homenagem inusitada ocorreu ao jovem quando estava recordando os bons momentos que eles tiveram juntos e suas lembranças o motivaram a expressar o que sentia no papel.

Desenhista desde criança, Shun usou o seu talento e criou um simples desenho que após ganhar traços e formas semelhantes as do seu cachorro tornou-se a ilustração de maior repercussão da sua carreira, pois passou a ser visto nos muros da cidade do Rio de Janeiro como graffiti e posteriormente serviu como estampa para um projeto de marca de roupa. Léo Shun é um grafiteiro reconhecido por seus trabalhos e principalmente por tamanha propagação de seu personagem, esse que foi criado inspirado em seu cachorro de estimação.

“O Half, meu cachorrinho, é sem dúvidas o meu desenho de maior repercussão. Eu nunca imaginei que um desenho tão simples abriria tantas portas e me tornaria tão conhecido. Acho que tudo isso se deve ao sentimento que tive quando resolvi fazer essa homenagem ao meu cachorro, foi um desenho criado com um sentimento verdadeiro, puro e forte.” Diz Shun.

Persona é o nome dado a essa nova técnica de graffiti que Léo Shun desenvolveu de forma intuitiva. O persona contribuiu para uma homenagem despretensiosa e as consequências geraram um resultado surpreendente, chamando atenção dos admiradores da arte urbana e caindo na graça do público.

Léo Shun, que já foi pichador, conta que o persona foi um dos primeiros desenhos elaborados após abdicar da pichação e se descobrir grafiteiro, quando passou a trilhar o amadurecimento entendendo o papel que poderia exercer enquanto artista.

Geralmente quando seu personagem é grafitado nos muros, o desenho com belos traços e cores, vai acompanhado também de uma mensagem, uma frase ou uma palavra com base no que Shun acredita como verdade sobre o amor e a felicidade. Esse é um dos caminhos que o grafiteiro encontrou também para se comunicar com a sociedade, intermediando o seu personagem e dando voz ao que acredita que precisa ser falado.

No entanto a técnica denominada persona criada por Shun além de propiciar mudanças em sua vida e autoconhecimento artístico, estimulou também outros jovens a migrarem da pichação para o graffiti, com intuito de perpetuá-los no cenário urbano.

“O graffiti muitas vezes é confundido com a pichação, porém são coisas distintas. A minha ideia ao criar o estilo Persona, foi criar uma ponte entre a pichação e o graffiti possibilitando aos pichadores um caminho para espalharem sua marca de forma não agressiva e totalmente legal”, diz Shun.

O cachorro Half inspirou novo estilo de arte urbana / Foto: Lorena Crist

Quem diria que um pet se tornaria um personagem de graffiti?

Hoje infelizmente o  seu cachorro não está mais vivo, no entanto as recordações e os sentimentos gerados impulsionaram um leque de possibilidades na vida de Shun, pois através do personagem o artista viu muitas portas se abrirem e também o amadurecimento enquanto artista plástico, ilustrador e grafiteiro.

O cachorrinho ilustrado recebeu o mesmo nome do cachorro real, Half, e desde então continuou a fazer parte da vida do Léo Shun e de outras pessoas que o admiram. Algumas pessoas conhecem a história do artista e sabem que o personagem de fato existiu, outras especulam que é só fruto de um gosto pessoal.

No entanto o Half parece continuar a expressar sua felicidade, atraindo a atenção e o carinho de pessoas de todas as idades, pois o cachorrinho é um personagem que exala vida e alegria, características semelhantes com a descrição que Shun e seus familiares fazem do Half, todos os que o conheceram lembram do cãozinho como um amigo alegre, agitado e super carinhoso.

O personagem Half é um elemento que literalmente faz parte da história do Shun, hoje grande parte do seu público o reconhece através do cachorrinho personificado, algumas pessoas se referem a ele como o “cara do cachorrinho”.

“O Half era um cachorro sensacional, fiquei muito triste quando perdemos ele. Muita gente não sabe que ele existiu de verdade, acham que é um personagem que criei, porém o que fiz foi tentar traduzir num desenho toda a alegria e energia que o meu cachorrinho tinha”. Diz Shun

Léo Shun completou no mês de outubro quinze anos de carreira, atualmente o autor do cachorrinho Half se dedica aos trabalhos profissionais envolvendo graffiti, artes plásticas, ilustração e outras funções decorrentes da sua empresa de comunicação ShunGraf e da sua galeria de artes, Galeria Bangu by Shun, recentemente inaugurada dentro do Bangu Shopping, no Rio de Janeiro. O espaço rico em cultura exibe painéis de graffiti, telas, esculturas e instalação interativa. Entre os painéis de graffiti feitos na galeria não poderia faltar Half, o personagem grafitado com mais de 2 metros de altura é uma atração à parte na galeria, encantando toda a família, mas principalmente as crianças. No espaço, Shun disponibiliza à venda suas camisas e pinturas estampadas com o desenho do cachorrinho.

Para conhecer e acompanhar mais sobre o grafiteiro e artista plástico Léo Shun é só visitar a Galeria Bangu by Shun dentro do Bangu Shopping, a galeria se encontra ao lado do restaurante Outback, o projeto conta com a parceria de grandes marcas como Leroy Merlin, Sherwin Willians, Vidraçaria Bangu e ShunGraf. É possível acompanhá-lo também em suas redes sociais Léo Shun e Shun Graf (suas páginas no Facebook) @galeriabangubyshun @shungraf e @leoshun_rj (Instagram) e no site da sua empresa www.shungraf.com

, , , , , , ,